As poucas palavras


Foi um dia, e outro dia, e outro ainda.

Só isso : o céu azul, a sombra lisa,

o livro aberto.

E algumas palavras. Poucas,

ditas como por acaso.

.

Eram contudo palavras de amor.

Não propriamente ditas,

antes adivinhadas. Ou só pressentidas.

Como folhas verdes de passagem.

Um verde, digamos, brilhante,

de laranjeiras.

.

Foi como se de repente chovesse :

as folhas, quero dizer, as palavras

brilharam. Não que fossem ditas

mas eram de amor, embora só adivinhadas.

Por isso brilhavam. Como folhas

molhadas.

folhas

 Eugénio de Andrade

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: