Archive for Outubro, 2008

Névoa
Outubro 29, 2008

Procurei-te e não te encontrei,

embora tu soubesses que eu ia.

Foi fuga, imprevisto, adeus? Não sei.

Foi névoa baça sobre o meu dia…

.

Não conheço o correr da tua lei,

nem a luz invisível que te guia.

Pergunto a mim própria se estarei

uma vez mais seguindo a fantasia…

Algo me diz que eu sou importante

para ti, que agora, neste instante,

pensas em nós e sonhas com a hora

.

de acabar com os mal-entendidos.

Mas como acreditar? Os meus sentidos

buscam-te, tensos, e tu vais embora.

.

 Diana Sá

Anúncios

I left you
Outubro 27, 2008

I left a bundle of contradictions

lying at your doorstep.

I meant to leave a letter

but I haven´t  found the pen yet

that can write the things I need to say

and all the things I can´t explain

and all the ways I meant to be

and all the hurt inside of me.

But be careful with the bundle

because it wasn´t wrapped with care.

It´s ready to unravel.

Any time.

Any where.

And somewhere in the middle,

where  Clarity should be,

you´ll find the Contradiction

that is the heart

of me.

.

 Autor desconhecido

Poema
Outubro 23, 2008

Há palavras que nos beijam

como se tivessem boca,

palavras de amor, de esperança,

de imenso amor, de esperança louca.

.

Palavras nuas que beijas

quando a noite perde o rosto,

palavras que se recusam

aos muros do teu desgosto.

De repente, coloridas,

entre palavras sem cor,

esperadas, inesperadas,

como a poesia ou o amor.

.

( O nome de quem se ama

letra a letra revelado

no mármore distraído,

no papel abandonado ).

.

Palavras que nos transportam

aonde a noite é mais forte,

ao silêncio dos amantes

abraçados contra a morte.

.

 Alexandre O´Neill

Terror de te amar
Outubro 20, 2008

Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo.

.

Mal de te amar neste lugar de imperfeição

onde tudo nos quebra e emudece

onde tudo nos mente e nos separa.

Sophia de Mello Breyner Andresen

***
Outubro 17, 2008

O amor é uma companhia.

Já não sei andar só pelos caminhos,

porque já não posso andar só.

Um pensamento visível faz-me andar mais depressa

e  ver menos, e ao mesmo tempo gostar bem de ir vendo tudo.

Mesmo a ausência dela é uma coisa que está comigo.

E  eu gosto tanto dela que não sei como a desejar.

Se a não vejo, imagino-a e sou forte como as árvores altas.

Mas se a vejo tremo, não sei o que é feito do que sinto na ausência dela.

Todo eu sou qualquer força que me abandona.

Toda a realidade olha para mim como um girassol com a cara dela no meio.

 Alberto Caeiro

1º Soneto de amor da hora triste
Outubro 15, 2008

Não um adeus distante

ou um adeus de quem não torna cá,

nem espera tornar. Um adeus de até já,

como a alguém que se espera a cada instante.

.

Que eu voltarei. Eu sei que hei-de voltar

de novo para ti, no mesmo barco

sem remos e sem velas, pelo charco

azul do céu, cansado de lá estar.

E viverei em ti como um eflúvio, uma recordação.

E não quero que chores para fora,

Amor, que tu bem sabes que quem chora

.

assim mente. E  se quiseres partir e o coração

to peça, diz-mo. A travessia é longa… Não atino

talvez na rota. Que nos importa, aos dois, ir sem destino.

.

 Álvaro Feijó

Espero-te
Outubro 13, 2008

Porquê, se eu sei

que os escolhos entre nós

são demasiado grandes?

.

Porquê, se eu sei

como é difícil alterar

o  rumo das nossas vidas?

.

Porquê, se eu sei

que tu não tens a coragem

de  assumir o que sentes?

.

Mas, todavia, continuo a esperar-te,

a ver em ti o porto de destino

da minha caminhada pelo mundo.

.

Estou cansada deste jogo silencioso.

Não conheço o farol que te guia.

Mas não consigo dizer-te adeus…

 Diana Sá

A maior solidão
Outubro 10, 2008

A maior solidão é a do ser que não ama.

A maior solidão é a dor do ser que se ausenta,

que se defende, que se fecha,

que se recusa a participar da vida humana.

A maior solidão é a do homem encerrado em si mesmo,

no absoluto de si mesmo,

o que não dá a quem pede

o que ele pode dar de amor,

de amizade, de socorro.

O  maior solitário é o que tem medo de amar,

o que tem medo de ferir e ferir-se,

o ser casto da mulher, do amigo, do povo, do mundo.

Esse queima como uma lâmpada triste,

cujo reflexo entristece também tudo em torno.

Ele é a angústia do mundo que o reflete.

Ele é o que se recusa às verdadeiras fontes de emoção,

as que são o património de todos, e,

encerrado em seu duro privilégio,

semeia pedras do alto de sua fria e desolada torre.

.

 Vinicius de Moraes

Saudades
Outubro 8, 2008

Tu foges de um céu despedaçado,

que nunca o foi ou poderia ser.

Eu busco um novo dia começado,

uma imagem para te esquecer.

.

Os monstros e as mágoas do passado

não permitem um outro amanhecer,

que a fria solidão, ao nosso lado,

uma vez mais , fizesse irromper.

.

Saudades… Que são elas, se a vida

nos mostrou, corajosa, decidida,

que não nascemos para viver a dois?

.

Importa desbravar outro horizonte,

abrir caminhos, construir a ponte,

ouvir os ecos e vibrar depois…

Diana Sá

Nous deux
Outubro 6, 2008

Nous deux nous tenant par la main

nous nous croyons partout chez nous

sous l´arbre doux sous le ciel noir

sous tous les toits au coin du feu

dans la rue vide en plein soleil

dans les yeux vagues de la foule

auprès des sages et des fous

parmi les enfants et les grands

L´amour n´a rien de mystérieux

Nous sommes l´évidence meme

Les amoureux se croient chez nous

Paul  Éluard