Meu rosto em tuas mãos


Quando me olhas,

quando a meu lado, imóvel, sentada, suave te inclinas;

quando estendes as mãos, suavíssima, porque queres,

porque querias agora tocar, sim, a minha cara,

tuas mãos, como de sonho,

quase como uma sombra me tocam.

Olho teu rosto. Um sopro de ternura lançou

como que uma luz sobre as tuas feições.

Que formosa pareces. Mais menina pareces. E olhas-me.

E  estás a sorrir-me.

Que suplicas quando alongando as mãos, muda, me tocas?

Sinto o fervor da sombra, do fumo que chega, subtil.

Que formosura, alma minha. A casa, recolhida, calma, repousa.

E  tu estás calada,

e eu sinto o meu rosto, suspenso, doce, em teus dedos.

Estás a suplicar. Tornas-te menina. Uma menina suplica.

Pedes. Quebra-se uma voz que não existe e pede.

Amor demorado. Amor nos dedos que pulsa sem ruído,

sem vozes. E eu fito-te nos olhos, e olho e oiço-te.

Oiço a alma quietíssima, menina, que escutada canta.

Amor como um beijo. Amor nos dedos, que escuto,

fechado em tuas mãos.

love_by_darunia_art

 Vicente Aleixandre

Anúncios

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: