Mas galopas


A galope,

um cavaleiro atravessava a noite.

Inútil perguntar-lhe

o que levava. Galopava.

À desfilada,

atravessava noites, abismos, cidades.

Não lhe perguntásseis de onde veio,

aonde ia. Galopava.

chama

Furacão

vingador, arcanjo desencadeado,

que resta do que foste? Já não és fogo,

nem vento. És cinza, pó. Mas galopas.

 

Papiniano Carlos


There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: