Archive for Maio, 2012

Numa manhã
Maio 27, 2012

Numa manhã quis compartilhar uma palavra, mas você me fugiu entre letras e pontos de interrogação.

Na outra, quis compartilhar um olhar e a noite fechou teus olhos.

 No dia seguinte, um abraço, mas a neblina havia semicerrado todo acolhimento.

Hoje, sem esperar mais nada, resolvi abrir meu coração.

Então você, silenciosamente feminina, entrou.

CARLOS EDUARDO LEAL

Anúncios

Percepção subjectiva
Maio 22, 2012

Não sei que nome chamar-te.
Nem onde estão os passos
… que quero sombra dos meus.

Talvez eu seja um livro cansado
de tanto me leres,
ou tão-pouco saibas
onde ficou o marcador de página
O eterno é tão efémero
que nem damos pelo presente…
há aromas que não ficam na pele.

Sonho que queres vir sem convite
onde sou frente e verso,
onde desenho na página par
um balão a insuflar
ao sabor da aragem
ou a primeira pétala
que cai na mudança de estação.

Não sei que nome chamar-te
quando te vejo entre os nenúfares
numa paisagem serena,
prostrada abraçando a árvore
que lança os ramos sobre as águas,
onde as nossas roupas
se transformam em leito de amor
e dançamos ao brilho das estrelas apaixonadas.

Não sei que nome chamar-te
quando levas o cálice aos lábios de cor carmim
e olhas o livro despojado de letras.

Francisco Valverde Arsénio

A demora
Maio 16, 2012


O amor nos condena:
demoras
mesmo quando chegas antes.
Porque não é no tempo que eu te espero.

Espero-te antes de haver vida
e és tu quem faz nascer os dias.

Quando chegas
já não sou senão saudade
e as flores
tombam-me dos braços
para dar cor ao chão em que te ergues.

Perdido o lugar
em que te aguardo,
só me resta água no lábio
para aplacar a tua sede.

Envelhecida a palavra,
tomo a lua por minha boca
e a noite, já sem voz
se vai despindo em ti.

O teu vestido tomba
e é uma nuvem.
O teu corpo se deita no meu,
um rio se vai aguando até ser mar.

MIA COUTO,  em  IDADES CIDADES DIVINDADES

Reminiscência
Maio 11, 2012

Os instantes que vivo
… não são a minha vida:
ela voa perdida
no desenho furtivo
de uma breve asa ferida
daquele pássaro esquivo
que anda desaparecido
e continua à deriva
desde que sou crescido
e perdi o sentido
da verdade mais viva.

E por mais que persiga
esse rasto infinito
não há voz que me diga
se a memória de um grito
é tudo o que me liga
ao primeiro suspiro
dessa ave iludida
cujas asas eu firo
sem saber se consigo
descobrir a saída
rumo àquele céu antigo
onde deixei a vida.

FERNANDO PINTO DO AMARAL,  em  “Poemas Escolhidos “

Recomeça
Maio 5, 2012

Recomeça… se puderes,

sem angústia e sem pressa

e os passos que deres,

nesse caminho duro

 do futuro,

dá-os em liberdade.

Enquanto não alcances,

não descanses,

de nenhum fruto

queiras só metade.

E, nunca saciado,

vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.

Sempre a sonhar e vendo

o logro da aventura.

És homem, não te esqueças!

Só é tua a loucura

onde, com lucidez, te reconheças…

.

Miguel Torga