Fronteira


De um lado terra, doutro lado terra;

de um lado gente, doutro lado gente;

lados e filhos desta mesma serra,

o mesmo céu os olha e os consente.

.

O mesmo beijo aqui, o mesmo beijo além;

uivos iguais de cão ou de alcateia.

E a mesma lua lírica que vem

corar meadas de uma velha teia.

.

Mas uma força que não tem razão,

que não tem olhos, que não tem sentido,

passa e reparte o coração

do mais pequeno tojo adormecido.

paisagem

Miguel  Torga

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: