Archive for Dezembro, 2014

2014 in review
Dezembro 30, 2014

The WordPress.com stats helper monkeys prepared a 2014 annual report for this blog.

Here’s an excerpt:

A San Francisco cable car holds 60 people. This blog was viewed about 1,500 times in 2014. If it were a cable car, it would take about 25 trips to carry that many people.

Click here to see the complete report.

Outro Poema de Natal
Dezembro 24, 2014

A alegria permanece incompleta

enquanto os anos te vincam a face,

mas não existe um único dia de Natal

em que ela não nasça.

.

O horizonte esplêndido mata a nossa sede

de um outro horizonte,

e o meu grande amor à alegria renova-se

com um fio de água no teu rosto.

Natal

Joel  Henriques

Floriram por engano as rosas bravas
Dezembro 18, 2014

Floriram por engano as rosas bravas
no inverno: veio o vento desfolhá-las…
Em que cismas, meu bem? Porque me calas
as vozes com que há pouco me enganavas?

neve

Castelos doidos! Tão cedo caístes!…

Onde vamos, alheio o pensamento,

de mãos dadas? Teus olhos, que num momento

prescrutaram os meus, como vão tristes!

.

E sobre nós cai nupcial a neve,

surda, em triunfo, pétalas, de leve,

juncando o chão, na acrópole de gelos…

.

Em redor do teu vulto é como um véu!

Quem as esparze … quanta flor … do céu,

sobre nós dois, sobre os nossos cabelos?

Camilo Pessanha

Leve e delicada
Dezembro 12, 2014

Leve e delicada

como a sombra da gipsofila na parede

assim é a tua ternura.

Tem a sombra das coisas impalpáveis

mas respira e aquece

como o sangue das rosas.

,,,

Sem ela

os caminhos da minha inquietação

iriam desaguar

no terrível vazio de calar-me

de perder-me nas florestas da noite.

   …

Sem ela

nenhuma das minhas lágrimas

valeria a pena

nenhuma das minhas dúvidas

valeria a dúvida

da interrogação que te ponho

e me faz sentir segura

nos braços da tua resposta.

A tua ternura é o meu berço

o meu barco o meu brinco

o meu brinquedo

o meu urso de pêlo

o meu lençol de linho

o meu segredo.

Com ela me enfeito e me consolo

e me envolvo

e me acalmo

e me adormento

e me esqueço da morte.

Rosa Lobato de Faria

Biografia
Dezembro 6, 2014

Se depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia,
não há nada mais simples.
Tem só duas datas – a da minha nascença e a da minha morte.
Entre uma e outra cousa todos os dias são meus.

Sou fácil de definir.
Vi como um danado.
Amei as cousas sem sentimentalidade nenhuma.
Nunca tive um desejo que não pudesse realizar, porque nunca ceguei.
Mesmo ouvir nunca foi para mim senão um acompanhamento de ver.
Compreendi que as cousas são reais e todas diferentes umas das outras;
Compreendi isto com os olhos, nunca com o pensamento.
Compreender isto com o pensamento seria achá-las todas iguais.

Um dia deu-me o sono como a qualquer criança.
Fechei os olhos e dormi.
Além disso, fui o único poeta da Natureza.

6409flores

Alberto Caeiro