Archive for Janeiro, 2015

As agonias do desejo
Janeiro 26, 2015

o dia a dia aperta aperta que nem

cordas cordéis ou outras mortas

coisas espertas não apertam

.

o dia a dia devolve-nos ao nada

sem metas físicas sem algas de conserva

somos servos do seu apertar

.

e tão estreito fica no cotovelo o

aperto do peito que não há jeito

de um dia o dia a dia adiar o

.

nó que nos lançou o laço que

no esófago afoga o coração pulmões

sem vento e os olhos sem invento

.

o dia a dia é noite noite sem

noite má maré sem mar

bardies

vamos ver que nos reserva o ver

quando amanhece noite e em verdade

nada se vislumbra

.

vamos a encontrar que nos reserva

o encontro vamos no contra ver

a ver que tem a ver o olhar

.

vamos andando como quem tacteia

o tom do tacto com o tecto baixo

destas nuvens caindo no contacto

.

das mãos das coisas e dos casos

vamos regressar lentamente ao

encanto de não saber sobreviver

.

descobrindo o que recobre o ar

o que cobre o contacto do voar

E. M. de Melo e Castro

Ânsia
Janeiro 20, 2015

 

Não me deixem tranquilo
não me guardem sossego
eu quero a ânsia da onda
o eterno rebentar da espuma.

As horas são-me escassas:
dai-me o tempo
ainda que o não mereça
que eu quero
ter outra vez
idades que nunca tive
para ser sempre
eu e a vida
nesta dança desencontrada
como se de corpos
tivéssemos trocado
para morrer vivendo.

espuma

Mia Couto  

 

em   “Raiz de orvalho e outros poemas”

A fala
Janeiro 14, 2015

Sou de uma Europa de periferia

na minha língua há o estilo manuelino

cada verso é uma outra geografia

aqui vai-se a Camões e é um destino.

.

Velas veleiro vento. E o que se ouvia

era sempre na fala o mar e o signo.

Gramática de sal e maresia

na minha língua há um marulhar contínuo.

.

Há nela o som do sul o tom da viagem.

O azul. O fogo de Santelmo e a tromba

de água. E também sol. E também sombra.

.

Verás na minha língua a outra margem.

Os símbolos  os ritmos  os sinais.

E Europa que não mais Mestre não mais.

mar bravo

Manuel  Alegre

Natural
Janeiro 8, 2015

Nós vos pedimos com insistência:
Nunca digam – Isso é natural!
Diante dos acontecimentos de cada dia,
numa época em que corre o sangue,
em que o arbitrário tem força de lei,
em que a humanidade se desumaniza,
não digam nunca: Isso é natural.
Para que nada passe por imutável.

Bertolt Brecht

Tradução livre: Chegamos num momento tão sério do mundo que o humor se tornou uma profissão de risco.

É muito sério o que aconteceu. Quando alguém cala uma voz que denuncia, e pior, em nome de uma divindade, há algo de muito errado nesse momento histórico.
A religião vem prezar pelo bem das pessoas, vem dar esperança para perseverar nesse mundo, mas, acima de tudo, vem para denunciar as injustiças para que haja igualdade e amor, para que a “terra seja como o céu”.
Esse grupo radical pode estar vingando o deus deles, mas está a conseguir disseminar a intolerância contra eles mesmos e difamar uma religião (que não conheço mas) que acredito que não seja como vem sendo propagada.
Assim, distorce-se tudo. As missões, as informações, a religião.
O mundo precisa de paz.
“E paz sem voz, é medo.”

Eu queria
Janeiro 5, 2015

Eu queria mais altas as estrelas,
mais largo o espaço, o Sol mais criador,
mais refulgente a Lua, o mar maior,
mais cavadas as ondas e mais belas;

Mais amplas, mais rasgadas as janelas.
Das almas, mais rosais a abrir em flor,
mais montanhas, mais asas de condor,
Mais sangue sobre a cruz das caravelas!

E abrir os braços e viver a vida:
– Quanto mais funda e lúgubre a descida,
mais alta é a ladeira que não cansa!

E, acabada a tarefa… em paz, contente,
um dia adormecer, serenamente,
como dorme no berço uma criança!

natureza31

Florbela Espanca