Archive for Maio, 2015

Olhos negros
Maio 28, 2015

Por teus olhos negros, negros,

trago eu negro o coração,

de tanto pedir-lhe amores…

E eles a dizer que não.

.

E mais não quero outros olhos,

negros, negros como são ;

que os azuis dão muita esp’rança,

mas fiar-me eu neles não.

.

Só negros, negros, os quero:

que, em lhes chegando a paixão,

se um dia disserem sim…,

nunca mais dizem que não.

h_4_ill_702964_combientumaimes21

Almeida Garrett

Terra livre e insubmissa
Maio 22, 2015

E no entanto é doce dizer pátria

sonhar a terra livre e insubmissa

inteiramente nossa

Sonhá-la como se pedra a pedra a pedra a construíssemos

Como se nada houvesse antes de nós

e desde as fundações a erguêssemos completa

pura alegre acolhedora virgem

de medos mortos insepultos

agreste

Daniel  Filipe

A outra morada
Maio 16, 2015

É de Schumann, a música.

Dói, acalma, é transparência

última da rosa, a de Dante

no Paraíso;

não há outra morada,

outro cristal, outra ave;

há somente esse rio, esse gume

que fere, apazigua,

o corpo, a alma – quem sabe?

   música

Eugénio de Andrade   em   Rente ao Dizer (1992)

Não deixeis um grande amor
Maio 10, 2015

Aos poucos apercebi-me do modo
desolado incerto quase eventual
com que morava em minha casa

assim ele habitou cidades
desprovidas
ou os portos levantinos a que
se ligava apenas por saber
que nada ali o esperava

assim se reteve nos campos
dos ciganos sem nunca conseguir
ser um deles:
nas suas rixas insanas
nas danças de navalhas
na arte de domar a dor

chegou a ser o melhor
mas era ainda a criança perdida
que protesta inocência
dentro do escuro

não será por muito tempo
assim eu pensava
e pelas falésias já a solidão
dele vinha

não será por muito tempo
assim eu pensava
mas ele sorria e uma a uma
as evidencias negava

por isso vos digo
não deixeis o vosso grande amor
refém dos mal-entendidos
do mundo

K. Gibran

José Tolentino Mendonça      em     ‘Longe não Sabia’

XV
Maio 4, 2015

 

Estamos todos cansados de esperar
o que nunca virá,
de subir às ameias e espreitar,
de nos deitarmos no chão para escutar
a voz que ainda não esteve nem estará
junto de nós para nos consolar.

À volta só o silêncio e a solidão
respondem ao nosso olhar que não descansa
e ao nosso sequioso coração
a quem disseram que tivesse esperança.

solidao4

Maria Judite de Carvalho
a flor que havia na água parada”, pág. 33