Archive for Novembro, 2015

Falaram-me
Novembro 26, 2015

Falaram-me os homens em humanidade,
mas eu nunca vi homens nem vi humanidade.
Vi vários homens assombrosamente diferentes entre si.
Cada um separado do outro por um espaço sem homens.

loneliness1

Alberto Caeiro

Anúncios

O Portugal futuro
Novembro 20, 2015

O portugal futuro é um país

aonde o puro pássaro é possível

e sobre o leito negro do asfalto da estrada

as profundas crianças desenharão a giz

esse peixe da infância que vem na enxurrada

e me parece que se chama sável

Mas desenhem elas o que desenharem

é essa a forma do meu país

e chamem elas o que lhe chamarem

portugal será e lá serei feliz

Poderá ser pequeno como este

ter a oeste o mar e a espanha a leste

tudo nele será novo desde os ramos à raiz

À sombra dos plátanos as crianças dançarão

e na avenida que houver à beira-mar

pode o tempo mudar será verão

Gostaria de ouvir as horas do relógio da matriz

mas isso era o passado e podia ser duro

edificar sobre ele o portugal futuro

portugal

Ruy Belo

No princípio
Novembro 14, 2015

No princípio, só a vida existia;
o mundo era o que havia
ao alcance da vida…
E mais nada.
.
Tudo era certo, simples, claro.
.
Quando o passado passar
(e passará, porque o passado é hoje),
e o futuro vier
(e há-de vir, porque o futuro é hoje),
então, sim; há-de saber-se tudo.
E tudo será certo, simples, claro.
.
Eu, porém, não sei nada.

estrelas

Reinaldo Ferreira

IX
Novembro 8, 2015

De tanto te imaginar de olhos fechados,
sei lá se te perdi!
E se esta sombra com quem voo nos telhados
és tu em vez de ti.
.
Só sei que quando vieres, real,
a cheirar a pele e a punhal,
com entranhas e caveira…
.
…terei de coser a tua sombra à minha,
atar o rio à nuvem da tardinha,
a labareda ao fumo da fogueira.

amores-impossiveis-3162451-1238

José Gomes Ferreira

Dies Irae
Novembro 2, 2015

Apetece cantar, mas ninguém canta.
Apetece chorar, mas ninguém chora.
Um fantasma levanta
a mão do dedo sobre a nossa hora.
.
Apetece gritar, mas ninguém grita.
Apetece fugir, mas ninguém foge.
Um fantasma limita
todo o futuro a este dia de hoje.
.
Apetece morrer, mas ninguém morre.
Apetece matar, mas ninguém mata.
Um fantasma percorre
os motivos onde a alma se arrebata.
.
Oh! Maldição do tempo em que vivemos,
sepultura de grades cinzeladas
que deixam ver a vida que não temos
e as angústias paradas.

.
soledad_y_tristeza_by_magdalena220

Miguel Torga