Novembro


Novembro trouxe o fim.
Nunca houvera antes tal nostalgia.
No entanto, sabíamos que teria de ser assim.
Nossas mãos não se queriam despedir,
Nossos corpos não se queriam largar, .
Náufragos despertos deste infeliz desenrolar.
Nestes dias, sim, agora… Não há mais nada.
Nada que chegue,
nada que escape,
nada que demova, que resista, que fade…
Nada, para além do breve despertar,
Nada, a não ser o ligeiro trautear, bem longe, do teu assobio.
Na desistência leve das vontades sacudidas…
Numa era de tempo em que se foi o tempo.
Nacarada nostalgia borboleteando
nos lábios fartos de soletrar palavras facilmente esquecidas,
negras, envilecidas, graças ao carvão que usámos para aquecer esta vida. Neste agridoce existencial a que chamamos de …
Nada. Porque não há nada que chegue. A ti.
neve 2
Sofia Pereira

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: