Archive for Fevereiro, 2019

Não sei de onde veio
Fevereiro 24, 2019

“Só sei que o sonho nunca tem pressa.”

Foi nessa idade que a poesia me veio buscar
Não sei de onde veio
do inverno, de um rio
Não sei como nem quando
Não, não eram vozes
não eram palavras
nem silêncio
Mas da rua fui convocado
dos galhos da noite
abruptamente entre outros
Entre fogos violentos
voltando sozinho
lá estava eu sem rosto
E fui tocado.

noite-de-luar


Pablo Neruda

Anúncios

Nenhuma morte apagará
Fevereiro 18, 2019

Eu estava tão perto de ti que tenho frio ao pé dos outros.-  PAUL ÉLUARD

amor

Nenhuma morte apagará os beijos

e por dentro das casas onde nos amámos

ou pelas ruas clandestinas da grande cidade livre

estarão para sempre vivos os sinais de um grande amor,

esses densos sinais do amor e da morte

com que se vive a vida.

.

Aí estarão de novo as nossas mãos

e nenhuma dor será possível onde nos beijámos.

Eternamente apaixonados, meu amor. Eternamente livres.

Prolongaremos em todos os dedos os nossos gestos e,

profundamente, no peito dos amantes,

a nossa alma líquida e atormentada

.

desvendará em cada minuto o seu segredo

para que este amor se prolongue e noutras bocas

ardam violentos de paixão os nossos beijos

e os corpos se abracem mais e se confundam

mutuamente violando-se, violentando a noite

para que outro dia, afinal, seja possível.

Joaquim Pessoa

As coisas que errei na vida
Fevereiro 12, 2019

As coisas que errei na vida
são as que acharei na morte,
porque a vida é dividida
entre quem sou e a sorte.

As coisas que a Sorte deu
levou-as ela consigo,
mas as coisas que sou eu
guardei-as todas comigo.

E por isso os erros meus,
sendo a má sorte que tive,
terei que os buscar nos céus
quando a morte tire os véus
à inconsciência em que estive.

mar_2

 Fernando Pessoa     em    “Novas Poesias Inéditas”

 

Nos teus dedos
Fevereiro 6, 2019

Nos teus dedos nasceram horizontes
e aves verdes vieram desvairadas
beber neles julgando serem fontes.

mãos

Eugénio de Andrade