Não sei de onde veio


“Só sei que o sonho nunca tem pressa.”

Foi nessa idade que a poesia me veio buscar
Não sei de onde veio
do inverno, de um rio
Não sei como nem quando
Não, não eram vozes
não eram palavras
nem silêncio
Mas da rua fui convocado
dos galhos da noite
abruptamente entre outros
Entre fogos violentos
voltando sozinho
lá estava eu sem rosto
E fui tocado.

noite-de-luar


Pablo Neruda

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: