As Coisas


Por aqui, por ali, à minha volta,

sobem montanhas de coisas antigas,

são quadros, são caixinhas, e das vigas

balançam fardas velhas de uma escolta.

.

Bengalas bem talhadas, uma ânfora,

trazem letras trançando-se sem nome,

nomes voam sem dono e a hora some

de um pêndulo em que o dobre cheira a cânfora.

.

Caveiras de marfim, pequenas tíbias,

ossinhos despojados de oratórios,

cachinhos e navetas e ostensórios,

tapetes que suspiram poeiras líbias,

.

junto a um nobre enrolado numa toga

cujo pano desfez-se em bronze velho

e que canta sem voz num vão de espelho

à luz de um castiçal de sinagoga,

.

enquanto um buda branco brilha e ri

e os meus olhos que bóiam numa taça

vão colhendo na sede do que passa

as flores que eu sonhei que já perdi.

intuition

Alexei Bueno

 

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: