Archive for the ‘Poesia’ Category

O poema
Novembro 11, 2020

O poema é um exercício de dissidência, uma profissão de

incredulidade na omnipotência do visível, do estável, do

apreendido. O poema é uma forma de apostasia. Não há

poema verdadeiro que não torne o sujeito um foragido.

.

O poema obriga a pernoitar na solidão dos bosques, em cam-

pos nevados, por orlas intactas. Que outra verdade existe no

mundo para lá daquela que não pertence a este mundo ?

.

O poema não busca o inexprimível: não há piedoso que, na

agitação da sua piedade, não o procure. O poema devolve o

inexprimível.

O poema não alcança aquela pureza que fascina

o mundo. O poema abraça precisamente aquela impureza que

o mundo repudia.

neve

José Tolentino Mendonça

No pasmo do silêncio
Outubro 28, 2020

No pasmo do silêncio a procurar

horas perdidas que já não me traem,

pergunto a Deus o que me faz lembrar

mistérios do Impossível que se esvaem.

.

Coisas que não se podem evitar,

mas são ocas em si, fumos que saem

de brasas apagadas, a voar

sem rumo definido, por fim caem.

pena

A Vida é assim: sol, chuva, vento, ar

parado no recôndito assombrado,

momentos que se alongam levemente.

.

Pudera eu controlar o respirar

do tempo que resiste ao limitado

fulgor de uma ausência consequente.

Diana Sá

Acabar
Outubro 18, 2020

Tu tens um medo:

acabar.

Não vês que acabas todo o dia.

Que morres no amor.

Na tristeza.

Na dúvida.

No desejo.

Que te renovas todo o dia,

No amor.

Na tristeza.

Na dúvida.

No desejo.

Que és sempre outro.

Que és sempre o mesmo.

Que morremos por idades imensas.

Até não teres medo de morrer.

.

E então serás eterno.

existir

Cecília Meireles

A Memória
Setembro 16, 2020

Por entre vendavais desfeitos,

procuro no antro da memória,

procuro por sítios inóspitos,

porque nos perdemos no fundir do tempo!

.

Arrastam-se máscaras, esfinges,

que não consigo decifrar,

mas tu és a mesma menina que sempre foste,

o passar dos anos fez-te ainda mais bonita,

fez-te sedutora.

.

Queria perder-me nos teus braços,

acordar e renascer das cinzas,

todo eu ainda tremo ao ouvir os teus passos!

.

Por entre muralhas e sombras que nos enlaçam no nevoeiro,

duas faces, olhos nos olhos,

os meus aproximam-se dos teus,

os meus lábios secam as tuas lágrimas,

beijo-te os olhos,

acabam as tuas mágoas prisioneiras do passado!

meu príncipe

Daniel  Dias

Descrição
Setembro 8, 2020

A minha casa tem o tamanho do universo,

nela cresce o trigo sob o vento.

Se me encontro no meio da sala,

cabem outros continentes em poucos passos

e nunca me considero estrangeiro.

.

Moro na vastidão insuperável das galáxias,

na distância intransponível habito.

Se me descubro no seu interior,

com facilidade me aproximo do parapeito das janelas

e nunca estou sozinho.

.

Fiquei sempre por dentro da minha moradia,

desde a primeira aurora.

Se fecho a sua porta e não mais a transponho,

tenho um jardim cultivado no silêncio das palavras

e Deus nunca me abandona.

estrelas 2

Joel  Henriques

Não te rendas
Agosto 31, 2020

Não te rendas, ainda estás a tempo

de alcançar e começar de novo,

aceitar as tuas sombras

enterrar os teus medos,

largar o lastro,

retomar o voo.

Não te rendas que a vida é isso,

continuar a viagem,

perseguir os teus sonhos,

destravar os tempos,

arrumar os escombros,

e destapar o céu.

Não te rendas, por favor, não cedas,

ainda que o frio queime,

ainda que o medo morda,

ainda que o sol se esconda,

e se cale o vento:

ainda há fogo na tua alma

ainda existe vida nos teus sonhos.

Porque a vida é tua, e teu é também o desejo,

porque o quiseste e eu te amo,

porque existe o vinho e o amor,

porque não existem feridas que o tempo não cure.

Abrir as portas,

tirar os ferrolhos,

abandonar as muralhas que te protegeram,

viver a vida e aceitar o desafio,

recuperar o riso,

ensaiar um canto,

baixar a guarda e estender as mãos,

abrir as asas

e tentar de novo

celebrar a vida e relançar-se no infinito.

Não te rendas, por favor, não cedas:

mesmo que o frio queime,

mesmo que o medo morda,

mesmo que o sol se ponha e se cale o vento,

ainda há fogo na tua alma,

ainda existe vida nos teus sonhos.

Porque cada dia é um novo início,

porque esta é a hora e o melhor momento.

Porque não estás só, porque eu te amo.

despertares

Mário Benedetti

Eu queria
Agosto 21, 2020

Eu queria ter o tempo e sossego suficientes

para não pensar em coisa nenhuma,

para nem me sentir viver,

para só saber de mim nos olhos dos outros.

mulherrosa

Alberto Caeiro   em   Poemas Inconjuntos

A Celebração do Pó
Agosto 12, 2020

O silêncio
abre
o coração das sombras.
Por tal sossego, as árvores
caminham. Mas são as mulheres quem lhes assegura
a elegância do porte.

A harmonia vem do peso da luz
sob a cabeça. Das mãos em arco: os ramos seguram.
Altas são as folhas. Simples.
Lisa a copa.

Não há rumor na terra.
As feras não nasceram ainda. Apenas os peixes.
Fora de água
respiram.

Sim.
O mundo pode ser belo,
apesar de só.

Basta-lhe o fulgor no mais escalvado da noite
e meninos esbeltos e
gelados no sol.
E uma beleza dificílima. E um cauteloso
azul nas garças abatidas pelo céu.
E um primeiro espanto,
uma primeira alegria nas fendas
em direcção
ao pó.

novembro2

Eduarda Chiote

A criança que fui
Julho 31, 2020

A criança que fui chora na estrada.
deixei-a ali quando vim ser quem sou;
mas hoje, vendo que o que sou é nada,
quero ir buscar quem fui onde ficou.

Ah, como hei-de encontrá-lo? Quem errou
a vinda tem a regressão errada.
Já não sei de onde vim nem onde estou.
De o não saber, minha alma está parada.

Se ao menos atingir neste lugar
um alto monte, de onde possa enfim
o que esqueci, olhando-o, relembrar,

na ausência, ao menos, saberei de mim,
e, ao ver-me tal qual fui ao longe, achar
em mim um pouco de quando era assim.

crianca4[1]

Fernando Pessoa

No teu rosto
Julho 16, 2020

No teu rosto
competem mil madrugadas
Nos teus lábios
a raiz do sangue
procura suas pétalas
A tua beleza
é essa luta de sombras
é o sobressalto da luz
num tremor de água
é a boca da paixão
mordendo o meu sossego
.
laetitia_casta_9-1024x768
.
Mia Couto