O resgate
Abril 25, 2017

Alegria por vezes dispersiva
quem a tem não a tinha tido antes,
quando os homens falavam, hesitantes,
da liberdade ausente e sempre esquiva.
.
Uma alegria cristalina e viva
com belos movimentos ondulantes
de rios bravios, de multidões vibrantes,
que levam as derrotas à deriva.
.
Derrocada dos donos e senhores,
na hora justa que explode em flores,
no resgate de tantos desenganos.
.
Alegria, alegria, tu nos levas
contigo, e atrás de ti ficam as trevas,
as trevas temerosas dos tiranos.

SONY DSC

Sidónio Muralha

Aquela triste e leda madrugada
Março 17, 2017

Aquela triste e leda madrugada,
cheia toda de mágoa e de piedade,
enquanto houver no mundo saudade,
quero que seja sempre celebrada.

Ela só, quando amena e marchetada
saía, dando ao mundo claridade,
viu apartar-se de uma outra vontade,
que nunca poderá ver-se apartada.

Ela só viu as lágrimas em fio,
que duns e doutros olhos derivadas,
se acrescentaram em grande e largo rio;

Ela viu as palavras magoadas,
que puderam tornar o fogo frio,
e dar descanso as almas condenadas.

Luiz de Camões

Quando vier a Primavera
Março 5, 2017

A verdadeira liberdade
Novembro 15, 2016

A liberdade, sim, a liberdade!
A verdadeira liberdade!
Pensar sem desejos nem convicções.
Ser dono de si mesmo sem influência de romances!
Existir sem Freud nem aeroplanos,
sem cabarets, nem na alma, sem velocidades, nem no cansaço!

A liberdade do vagar, do pensamento são, do amor às coisas naturais
a liberdade de amar a moral que é preciso dar à vida!
Como o luar quando as nuvens abrem
a grande liberdade cristã da minha infância que rezava
estende de repente sobre a terra inteira o seu manto de prata para mim…
A liberdade, a lucidez, o raciocínio coerente,
a noção jurídica da alma dos outros como humana,
a alegria de ter estas coisas, e poder outra vez
gozar os campos sem referência a coisa nenhuma
e beber água como se fosse todos os vinhos do mundo!

Passos todos passinhos de criança…
Sorriso da velha bondosa…
Apertar da mão do amigo [sério?]…
Que vida que tem sido a minha!
Quanto tempo de espera no apeadeiro!
Quanto viver pintado em impresso da vida!

Ah, tenho uma sede sã. Dêem-me a liberdade,
dêem-ma no púcaro velho de ao pé do pote
da casa do campo da minha velha infância…
Eu bebia e ele chiava,
Eu era fresco e ele era fresco,
E como eu não tinha nada que me ralasse, era livre.
Que é do púcaro e da inocência?
Que é de quem eu deveria ter sido?
E salvo este desejo de liberdade e de bem e de ar, que é de mim?”

DSCN0720

Álvaro de Campos   em   “Poemas (Inéditos)

Ad usum
Setembro 8, 2016

O meu ofício é de palavras
que só estremecem ao rumor
do amor.
.
O meu ofício é de missão
secreta, sob a capa do ar:
Lembrar.
.
O meu ofício desconhece
qualquer das formas de folgar:
sonhar?
.
No meu ofício é que se aprende
por dentro – terra e ultramar –
a olhar.
.
Sua alegria é de um minuto
e nada a pode compensar:
cantar.
.
Entre um minuto e outro perpassam
nuvens de tamanho esperar:
durar.
.
O meu ofício é de saber
morrer, de nas pedras gravar:
passar.

natureza31

Lélia Coelho Frota

Entre o luar e a folhagem
Junho 28, 2016

Entre o luar e a folhagem,
entre o sossego e o arvoredo,
entre o ser noite e haver aragem
passa um segredo.
Segue-o minha alma na passagem.

Ténue lembrança ou saudade,
princípio ou fim do que não foi,
não tem lugar, não tem verdade,
atrai e dói.
Segue-o meu ser em liberdade.

Vazio encanto ébrio de si!
Tristeza ou alegria o traz?
O que sou dele a quem sorri?
Não é nem faz.
Só de segui-lo me perdi.

sonho

Fernando Pessoa
19-8-1933

Sei onde o trigo
Fevereiro 21, 2016

Sei onde o trigo ilumina a boca.
Invoco esta razão para me cobrir
com o mais frágil manto do ar.
.
O sono é assim, permite ao corpo
este abandono, ser no seio da terra
essa alegria só prometida à água.
.
Digo que estive aqui, e vou agora
a caminho de outro sol mais branco.

estátua

Eugénio de Andrade

A companheira
Setembro 19, 2015

Não te busquei, não te pedi: vieste.
E desde que eu nasci houve mil coisas
a que os meus olhos se deram com igual
simplicidade : o Sol, a manhã de hoje,
essa flor que é tão grácil que a não quero,
o milagre das fontes pelo Estio…
Vieste ( o Sol veio também, a flor,
a manhã de hoje, as águas…). Alegria,
mas calada alegria, mas serena,
entendimento puro, natural
encontro, natural como a chegada
do Sol, da flor, das águas, da manhã,
de ti, que eu não buscara nem pedira.

E o Amor? E o Amor? E o Amor?
-: Vieste.
Wherever

Sebastião da Gama

Carta ao Filho
Julho 19, 2015

Não vivas sobre a terra como um estranho,
um turista no meio da natureza.
Habita o mundo como a casa do teu pai.
Crê na semente, na terra, no mar.
mas acima de tudo crê nas pessoas.
Ama as nuvens,
as máquinas,
os livros,
mas acima de tudo ama o homem.
Sente a tristeza do ramo que murcha,
do astro que se extingue,
do animal ferido que agoniza,
mas acima de tudo
sente a tristeza e a dor das pessoas.
Alegra-te com todos os bens da terra,
com a sombra e a luz,
com as quatro estações,
mas acima de tudo e a mãos cheias
alegra-te com as pessoas.

Nazim Hikmet

A @[100000063776644:2048:Cristina Carmona-Franz] pediu-me que postasse um poema e indicasse 4 amigos. A minha escolha é a seguinte:  Porque creio que são estes os valores a passar aos nossos filhos. Boa noite, com Nazim Hikmet heart emoticon  CARTA AO FILHO  Não vivas sobre a terra como um estranho Um turista no meio da natureza. Habita o mundo como a casa do teu pai. Crê na semente, na terra, no mar. mas acima de tudo crê nas pessoas. Ama as nuvens, as máquinas, os livros, mas acima de tudo ama o homem. Sente a tristeza do ramo que murcha, do astro que se extingue, do animal ferido que agoniza, mas acima de tudo Sente a tristeza e a dor das pessoas. Alegra-te com todos os bens da terra, Com a sombra e a luz, com as quatro estações, mas acima de tudo e a mãos cheias alegra-te com as pessoas.  Nazim Hikmet  E o nome dos amigos que indico são: @[100006520182784:2048:Julia Teixeira] , Teresa Pereira , Conceição Militão e @[1370736139:2048:Conceição Cabeças]

Discurso de Péricles aos Atenienses
Junho 29, 2015

 

Deixai-os em treino permanente
como se a vida fosse apenas exercício
Atenas ama o vinho e a poesia
e Esparta o sacrifício

Que nos acusem de vida fácil e leviandade
Que digam que não sabemos guardar segredo
nem combater
Em Atenas reina a liberdade
e em Esparta o medo

A nossa força é a diferença

Não são precisas provações nem disciplina
Atenas vive como quer e como gosta
porque a nossa coragem não se aprende não se ensina
A nossa é de nascença
e não imposta

Deixai-os pois dizer que vão vencer
Eles fogem da vida por temor da morte
Nós vamos para a morte por amor da vida
E enquanto Esparta só combate por dever
nós iremos lutar com alegria

Por isso Atenas não será vencida

tempestade

Manuel Alegre