Carta a meus filhos sobre os fuzilamentos de Goya
Abril 14, 2020

Poema do Amigo aprendiz
Novembro 30, 2018

Quero ser teu amigo.

Nem de mais, nem de menos.

Nem tão longe, nem tão perto.

Na medida mais precisa que eu puder.

.

Mas amar-te como próximo, sem medida

e ficar sempre em tua vida

da maneira mais discreta que eu souber.

.

Sem tirar-te a liberdade.

sem jamais te sufocar.

Sem forçar a tua vontade.

.

Sem falar, quando for hora de calar

e sem calar, quando for hora de falar.

Nem ausente, nem presente por demais,

simplesmente, calmamente, ser-te paz.

.

É bonito ser amigo, mas, confesso,

é tão difícil aprender…

Por isso, eu te peço paciência.

.

Vou encher este teu rosto

de alegrias, lembranças!

Dá-me tempo

de acertar nossas distâncias!!!

no_celta_elemento_terra_ar_fogo_agua_nimbypolis_zpsf5934ece

José Fernando de Oliveira

Tão cedo passa
Junho 25, 2017

Tão cedo passa tudo quanto passa!
Morre tão jovem ante os deuses quanto
morre! Tudo é tão pouco!
Nada se sabe, tudo se imagina.
Circunda-te de rosas, ama, bebe
e cala. O mais é nada.

rosas fogo

Ricardo Reis

Onde pus a ‘sperança
Fevereiro 1, 2012

Onde pus a ‘sperança, as rosas

murcharam logo.

Na casa, onde fui habitar

o jardim, que eu amei por ser

ali o melhor lugar,

e por quem essa casa amei –

deserto o achei,

e, quando o tive, sem razão p’ra o ter.

.

Onde pus a afeição, secou

a fonte logo.

Da floresta, que fui buscar

por essa fonte ali tecer

seu canto de rezar –

quando na sombra penetrei,

só o lugar achei

da fonte seca, inútil de se ter.

.

P’ra quê, pois, afeição, ‘sperança

se perco, logo

que as uso, a causa p’ra as usar,

se tê-las sabe a não as ter?

.

Crer ou amar –

até à raiz, do peito onde alberguei

tais sonhos e os gozei,

o vento arranque e leve onde quiser

e eu os não possa achar !

Fernando  Pessoa