Hoje
Fevereiro 5, 2020

Hoje que a tarde é calma e o céu tranqüilo,
e a noite chega sem que eu saiba bem,
quero considerar-me e ver aquilo
que sou, e o que sou o que é que tem.

Olho por todo o meu passado e vejo
que fui quem foi aquilo em torno meu,
salvo o que o vago e incógnito desejo
se ser eu mesmo de meu ser me deu.

Como a páginas já relidas, vergo
minha atenção sobre quem fui de mim,
e nada de verdade em mim albergo
salvo uma ânsia sem princípio ou fim.

Como alguém distraído na viagem,
segui por dois caminhos par a par.
Fui com o mundo, parte da paisagem;
comigo fui, sem ver nem recordar.

Chegado aqui, onde hoje estou, conheço
que sou diverso no que informe estou.
No meu próprio caminho me atravesso.
Não conheço quem fui no que hoje sou.

Serei eu, porque nada é impossível,
vários trazidos de outros mundos, e
no mesmo ponto espacial sensível
que sou eu, sendo eu por me ’star aqui ?

Serei eu, porque todo o pensamento
podendo conceber, bem pode ser,
um dilatado e múrmuro momento,
de tempos-seres de quem sou o viver ?

fp

 Fernando Pessoa

Escavação
Janeiro 31, 2019

Numa ânsia de ser alguma cousa,

divago por mim mesmo a procurar,

desço-me todo, em vão, sem nada achar,

e minh’alma perdida não repousa!

.

Nada tendo, decido-me a criar.

Brando a espada, sou luz harmoniosa

e chama genial que tudo ousa

unicamente à força de sonhar…

.

Mas a vitória fulva esvai-se logo…

                                                            E cinzas, cinzas só, em vez de fogo…

– Onde existo que não existo em mim?

.

Um cemitério falso sem ossadas,

noites de amor sem bocas esmagadas –

tudo outro espasmo que princípio ou fim…

bando

Mário de Sá Carneiro

Poema do Silêncio
Janeiro 10, 2019

Sim, foi por mim que gritei.
Declamei,
atirei frases em volta.
Cego de angústia e de revolta.

Foi em meu nome que fiz,
a carvão, a sangue, a giz,
sátiras e epigramas nas paredes
que não vi serem necessárias e vós vedes.

Foi quando compreendi
que nada me dariam do infinito que pedi,
– que ergui mais alto o meu grito
e pedi mais infinito!

Eu, o meu eu rico de baixas e grandezas,
eis a razão das épi-trági-cómicas empresas
que, sem rumo,
levantei com sarcasmo, sonho, fumo…

O que buscava
era, como qualquer, ter o que desejava.
Febres de Mais, ânsias de Altura e Abismo,
Tinham raízes banalíssimas de egoísmo.

Que só por me ser vedado
sair deste meu ser formal e condenado,
erigi contra os céus o meu imenso Engano
de tentar o ultra-humano, eu que sou tão humano!

Senhor meu Deus em que não creio!
Nu a teus pés, abro o meu seio
procurei fugir de mim,
mas sei que sou meu exclusivo fim.

Sofro, assim, pelo que sou,
sofro por este chão que aos pés se me pegou,
sofro por não poder fugir.
sofro por ter prazer em me acusar e me exibir!

Senhor meu Deus em que não creio, porque és minha criação!
(Deus, para mim, sou eu chegado à perfeição…)
Senhor dá-me o poder de estar calado,
quieto, maniatado, iluminado.

Se os gestos e as palavras que sonhei,
nunca os usei nem usarei,
se nada do que levo a efeito vale,
que eu me não mova! que eu não fale!

Ah! também sei que, trabalhando só por mim,
era por um de nós. E assim,
neste meu vão assalto a nem sei que felicidade,
lutava um homem pela humanidade.

Mas o meu sonho megalómano é maior
do que a própria imensa dor
de compreender como é egoísta
a minha máxima conquista…

Senhor! que nunca mais meus versos ávidos e impuros
me rasguem! e meus lábios cerrarão como dois muros,
e o meu Silêncio, como incenso, atingir-te-á,
e sobre mim de novo descerá…

Sim, descerá da tua mão compadecida,
meu Deus em que não creio! e porá fim à minha vida.
E uma terra sem flor e uma pedra sem nome
saciarão a minha fome.

José Régio  em  ‘As Encruzilhadas de Deus’

Adão e Eva
Julho 28, 2016

Adão e Eva
olhámo-nos um dia,
e cada um de nós sonhou que achara
o par que a alma e a cara lhe pedia.

– E cada um de nós sonhou que o achara…

E entre nós dois
se deu, depois, o caso da maçã e da serpente,
… se deu, e se dará continuamente:

Na palma da tua mão,
me ofertaste, e eu mordi, o fruto do pecado.

– Meu nome é Adão…

E em que furor sagrado
os nossos corpos nus e desejosos
como serpentes brancas se enroscaram,
tentando ser um só!

Ó beijos angustiados e raivosos
que as nossas pobres bocas se atiraram
sobre um leito de terra, cinza e pó!

Ó abraços que os braços apertaram,
dedos que se misturaram!

Ó ânsia que sofreste, ó ânsia que sofri,
sede que nada mata, ânsia sem fim!
– tu de entrar em mim,
eu de entrar em ti.

Assim toda te deste,
e assim todo me dei:

Sobre o teu longo corpo agonizante,
meu inferno celeste,
cem vezes morri, prostrado…
Cem vezes ressuscitei
para uma dor mais vibrante
e um prazer mais torturado.

E enquanto as nossas bocas se esmagavam,
e as doces curvas do teu corpo se ajustavam
às linhas fortes do meu,
os nossos olhos muito perto, imensos,
no desespero desse abraço mudo,
confessaram-se tudo!
… Enquanto nós pairávamos, suspensos
entre a terra e o céu.

Assim as almas se entregaram,
como os corpos se tinham entregado,
assim duas metades se amoldaram
ante as barbas, que tremeram,
do velho Pai desprezado!

E assim Eva e Adão se conheceram:

Tu conheceste a força dos meus pulsos,
a miséria do meu ser,
os recantos da minha humanidade,
a grandeza do meu amor cruel,
os veios de oiro que o meu barro trouxe…

Eu, os teus nervos convulsos,
o teu poder,
a tua fragilidade,
os sinais da tua pele,
o gosto do teu sangue doce…

Depois…

Depois o quê, amor? Depois, mais nada,
– que Jeová não sabe perdoar!

O Arcanjo entre nós dois abrira a longa espada…

Continuamos a ser dois,
e nunca nos pudemos penetrar!

abraço 2

José Régio

Ânsia
Janeiro 20, 2015

 

Não me deixem tranquilo
não me guardem sossego
eu quero a ânsia da onda
o eterno rebentar da espuma.

As horas são-me escassas:
dai-me o tempo
ainda que o não mereça
que eu quero
ter outra vez
idades que nunca tive
para ser sempre
eu e a vida
nesta dança desencontrada
como se de corpos
tivéssemos trocado
para morrer vivendo.

espuma

Mia Couto  

 

em   “Raiz de orvalho e outros poemas”

Nevoeiro
Novembro 27, 2013

Nem rei nem lei, nem paz nem guerra,

define com perfil e ser

este fulgor baço da terra

que é Portugal a entristecer –

brilho sem luz e sem arder,

como o que o fogo-fátuo encerra.

.

Ninguém sabe que coisa quer.

Ninguém conhece que alma tem,

nem o que é mal nem o que é bem.

( Que ânsia distante perto chora?)

Tudo é incerto e derradeiro.

Tudo é disperso, nada é inteiro.

Ó Portugal, hoje és nevoeiro…

.

É a hora!

nevoeiro

Fernando Pessoa

O meu Impossível
Setembro 22, 2010

Minh’alma ardente é uma fogueira acesa,

é um brasido enorme a crepitar!

Ânsia de procurar sem encontrar

a chama onde queimar uma incerteza!

Tudo é vago e incompleto! E o que mais pesa

é nada ser perfeito. É deslumbrar

a noite tormentosa até cegar,

e tudo ser em vão! Deus, que tristeza!

Aos meus irmãos na dor já disse tudo

e não me compreenderam!… Vão e mudo

foi tudo o que entendi e o que pressinto…

Mas se eu pudesse a mágoa que em mim chora

contar, não a chorava como agora,

irmãos, não a sentia como a sinto!…

Florbela Espanca

Balada de sempre
Maio 8, 2009

Espero a tua vinda,

a tua vinda,

em dia de lua cheia.

Debruço-me sobre a noite

inventando crescentes e luares.

Espero o momento da chegada

com o cansaço e o ardor de todas as chegadas.

Rasgarás nuvens, estradas,

abrindo clareiras

nas sedes e nas ciladas.

Saltarás por cima dos mares,

de planícies e relevos

– ânsia alada

no meu desejo imaginada.

sem-titulo3

azul

Mas…

enquanto deixo a janela aberta

para entrares,

o mar,

aí além,

lambe-me os braços hirtos, braços verdes,

algas de sonho,

… e desenha ironias na areia molhada.

 

Fernando Namora

 

A casa do tempo perdido
Agosto 9, 2008

Bati no portão da casa do tempo perdido, ninguém atendeu.

Bati segunda vez e mais outra.

Resposta nenhuma.

A casa do tempo perdido está coberta de hera

pela metade; a outra metade são cinzas.

Casa onde não mora ninguém, e eu batendo e chamando

pela dor de chamar e não ser escutado.

Simplesmente bater. O eco devolve

minha ânsia de enteabrir esses paços gelados.

A noite e o dia se confundem no esperar,

no bater e bater.

O tempo perdido certamente não existe.

É  o casarão vazio e condenado.

ruínas

 Carlos Drummond de Andrade