A minha secretária
Setembro 20, 2019

Tenho um ramo

de nuvens

na minha secretária

.

por entre versos

cartas

cadernos e diários

.

uma caneta

com tinta de gardénia

de paixão e soneto

.

E na gaveta de segredo

porque

a poesia salva

.

eu guardo a minha alma

despertares

Maria Teresa Horta

Soneto a Katherine Mansfield
Junho 1, 2019

O teu perfume, amada – em tuas cartas

renasce, azul… – são tuas mãos sentidas!

Relembro-as brancas, leves, fenecidas,

pendendo ao longo de corolas fartas.

.

Relembro-as, vou… – nas terras percorridas

torno a aspirá-lo, aqui e ali desperto

paro; e tão perto sinto-te, tão perto

como se numa foram duas vidas.

.

Pranto, tão pouca dor! tanto quisera

tanto rever-te, tanto!… e a primavera

vem já tão próxima!… (Nunca te apartas

.

Primavera, dos sonhos e das preces!)

e no perfume preso em tuas cartas

à primavera surges e esvaneces.

primavera.jpg

Vinicius de Moraes

Marco
Janeiro 28, 2018

Na rua escondida

o marco do correio

há muitos anos recebe

as escassas cartas

que mudam a vida.

Há muito que está

fora de serviço

mas a companhia

não informou ninguém.

hug

Pedro Mexia

Tanto que fazer
Novembro 9, 2017

Tanto que fazer !
Livros que não se lêem,
cartas que não se escrevem,
línguas que não se aprendem,
amor que não se dá,
tudo quanto se esquece.

Amigos entre adeuses,
crianças chorando na tempestade,
cidadãos assinando papéis, papéis, papéis…
até o fim do mundo assinando papéis.

E os pássaros detrás de grades de chuvas,
e os mortos em redôma de cânfora.
( E uma canção tão bela ! )

Tanto que fazer !
E nunca soubemos quem éramos
nem para quê.

 

Foto de Graça Costa.

Nós somos
Julho 25, 2012

Como uma pequena lâmpada subsiste
… e marcha no vento, nestes dias,
na vereda das noites, sob as pálpebras do tempo,

caminhamos, um país sussurra,
dificilmente nas calçadas, nos quartos,
um país puro existe, homens escuros,
uma sede que arfa, uma cor que desponta no muro,
uma terra existe nesta terra,
nós somos, existimos.

Como uma pequena gota às vezes no vazio,
como alguém só no mar, caminhando esquecidos,
na miséria dos dias, nos degraus desconjuntados,
subsiste uma palavra, uma sílaba de vento,
uma pálida lâmpada ao fundo do corredor,
uma frescura de nada, nos cabelos nos olhos,
uma voz num portal e a manhã é de sol,
nós somos, existimos.

Uma pequena ponte, uma lâmpada, um punho,
uma carta que segue, um bom dia que chega,
hoje, amanhã, ainda, a vida continua,
no silêncio, nas ruas, nos quartos, dia a dia,
nas mãos que se dão, nos punhos torturados,
nas frontes que persistem,
nós somos,
existimos.

paz1
ANTÓNIO RAMOS ROSA,  em  SOBRE O ROSTO DA TERRA (1961)

Sem depois
Fevereiro 4, 2011

Todas as vidas gastei para morrer contigo.

 

E agora

esfumou-se o tempo

e perdi o teu passo

para além da curva do rio.

 

Rasguei as cartas.

Em vão,

o papel restou intacto.

Só os meus dedos murcharam, decepados.

 

Queimei as fotos.

Em vão.

As imagens restaram incólumes,

e só os meus olhos se desfizeram

no dom das cinzas.

 

Com que roupa vestirei a minha alma

agora que já não há domingos?

Depois de te viver, não há poente.

Nem o enfim de um fim.

 

Todas as mortes gastei, para viver contigo.

 

Mia  Couto

Dez minutos
Setembro 2, 2008

Tenho dez minutos

para dizer que te amo

o tempo de ainda ouvir um piano de antigamente

será minha fuga antes das dez

embalado por um som que só a ti me leva

quero que cada momento seja especial

sei que mais tarde quando me leres

vais saber que esta contagem decrescente te pertence

terás dez razões para te interrogares

porque escrevo em carta aberta

mas terás outras tantas

para te convenceres que

por estares longe mais te amo

quando tu estás por perto

não me concentro em ti

sou desviado pelo teu olhar único

tua anca teus cabelos

tuas dores e sorrisos

tuas rugas teus vestidos

tua tristeza

já não tenho dez minutos

mas dez anos para te amar

dizem as finas estatísticas

 Carlos Peres Feio