apenas um soneto
Outubro 26, 2017

chuva-casal4

 

O delicado desejo que te doura
e nos dura na pele quando anoitece
é contra a nossa vida que se tece
e é no verso que vive e se demora.

Amor que não tivémos nem nos teve
veio-nos chamar agora. De repente
fez-se névoa à palavra do presente
e luz teu corpo que toquei de leve.

Mas se arde na memória da canção
o corpo que me deste e me fugiste,
o verso é outro modo de traição

por que minto ao que nunca tu mentiste.
E enganamos assim o coração,
disfarçando de mitos o que existe.

Luís Filipe de Castro Mendes

Se um dia,no silêncio do teu ser
Abril 22, 2009

para-a-filha

Se um dia, no silêncio do teu ser,

como num sonho, ouvires docemente

o eco triste duma voz dolente,

na morna palidez do entardecer;

e  nessa voz sentires tu viver

a nostalgia, a febre, o sonho ardente,

imensidade cor da selva quente,

as estrelas dos Trópicos a arder…,

fecha teus olhos lindos devagar

e  sonha com palmeiras ao luar,

nas noites de sertão, calmas e puras…

Chama por ti alguém que nunca viste,

poeta que nasceu para ser triste

e  talvez seja a alma que procuras.

 

Tavares Guimarães