Deito na terra
Novembro 6, 2018

Deito na terra os grãos de sonho

peço-te que os fragmentes

como uma bomba dentro do meu peito.

Assim, sei que te poderei esquecer…

como uma imagem difusa na mente cansada,

ou um aroma indecifrável

adormecido nas mãos enrugadas

de uma espera dorida e milenar.

.

Estou envolvida por esse silêncio dormente

que abre as portas à madrugada

e me encosta dentro dessa cama

cujo saco amarfanho

com os dedos quebrados de tentativas falhadas,

no desespero da insónia.

.

Abraço o vazio com a força do frio

percorre-me o avesso do ser,

lambo as gotas que fervilham na pele despida

e os grãos são sementes por fecundar…

O teu corpo é estéril.

Já não me estremece nem abre os segredos da noite

onde fomos gemido e respiração ofegante.

.

Fechei a concha.

Voei para sul com sonhos na bagagem.

nesse mundo com outros mundos onde só eu pertenço

e onde nós já não temos espaço.

conchas.JPG

Carla Marques

Quem me quiser
Junho 17, 2015

Quem me quiser há-de saber as conchas
a cantiga dos búzios e do mar.
Quem me quiser há-de saber as ondas
e a verde tentação de naufragar.

Quem me quiser há-de saber as fontes,
a laranjeira em flor, a cor do feno,
a saudade lilás que há nos poentes,
o cheiro de maçãs que há no inverno.

Quem me quiser há-de saber a chuva
que põe colares de pérolas nos ombros,
há-de saber os beijos e as uvas,
há-de saber as asas e os pombos.

Quem me quiser há-de saber os medos
que passam nos abismos infinitos,
a nudez clamorosa dos meus dedos,
o salmo penitente dos meus gritos.

Quem me quiser há-de saber a espuma
em que sou turbilhão, subitamente
– ou então não saber coisa nenhuma
e embalar-me ao peito, simplesmente.

Rosa Lobato Faria

Entretenimento
Março 29, 2015

Como quem procura conchas à beira do mar,

escolho as palavras para te dizer,

quando o silêncio dos teus braços

vestir o frio dos meus ombros.

concha

Luísa  Dacosta

Fundo do mar
Agosto 11, 2011

No fundo do mar há brancos pavores,
onde as plantas são animais
e os animais são flores.

Mundo silencioso que não atinge
a agitação das ondas.
Abrem-se rindo conchas redondas,
baloiça o cavalo-marinho.
Um polvo avança
no desalinho
dos seus mil braços,
uma flor dança,
sem ruído vibram os espaços.

Sobre a areia o tempo poisa
leve como um lenço.

Mas por mais bela que seja cada coisa
tem um monstro em si suspenso.

Sophia de Mello Breyner Andresen – Obra Poética I

A concha
Junho 25, 2009

A minha casa é concha. Como os bichos,

segreguei-a de mim com paciência:

fechada de marés, a sonhos e a lixos,

o horto e os muros só areia e ausência.

Minha casa sou eu e os meus caprichos.

O  orgulho carregado de inocência

se às vezes dá uma varanda, vence-a

o sal que os santos esboreou nos nichos.

E  telhados de vidro e escadarias

frágeis, cobertas de hera, oh bronze falso!

Lareira aberta pelo vento, as salas frias.

A minha casa… Mas é outra a história:

sou eu ao vento e à chuva, aqui descalço,

sentado numa pedra da memória.

coraislf4

Vitorino Nemésio

 

As palavras
Janeiro 22, 2009

São como um cristal,

as palavras.

Algumas, um punhal,

um incêndio.

Outras,

orvalho  apenas.

………

Secretas vêm, cheias de memória.

Inseguras navegam :

barcos ou beijos,

as águas estremecem.

………

Desamparadas, inocentes,

leves.

Tecidas são de luz

e  são a noite.

E  mesmo pálidas

verdes paraísos lembram ainda.

………

Quem as escuta ? Quem

as  recolhe, assim,

cruéis, desfeitas,

nas suas conchas puras ?

coraislf4

 Eugénio de Andrade