Sementes
Junho 20, 2020

Olhos,

vale tê-los,

se, de quando em quando,

somos cegos

e o que vemos

não é o que olhamos

mas o que o olhar semeia no mais denso escuro.

.

Vida

vale vivê-la

se, de quando em quando,

morremos

e o que vivemos

não é o que a Vida nos dá

nem o que dela colhemos

mas o que semeamos em pleno deserto.

Mia Couto

Defeito de fabrico
Agosto 25, 2012

Quando nasci, trazia de origem

um farol que despejava luz a jorros

sobre o que quer que fosse,

mormente sobre as dobras

pérfidas da noite.

Mas, por estranho que pareça,

também os faróis estão sujeitos

às leis da erosão,

e o meu farol deliu-se. Hoje, não é

mais do que um triste farolim de bicicleta

que apenas me alumia dois palmos de noite.

Amanhã estará reduzido

a uma simples lanterna de bolso

com que mal poderei reconhecer

o lugar onde estou.

Até que um dia será, está bom de ver,

o mais fiável cúmplice da noite –

– da noite que devia dissipar,

e não fundir-se nela.

Defeito de fabrico.

Mas a garantia caducou e o fabricante

nega-se a ressarcir-me do escuro.


A. M. Pires Cabral

Soneto
Dezembro 21, 2011

Acusam-me de mágoa e desalento,

como se toda a pena dos meus versos

não fosse carne vossa, homens dispersos,

e a minha dor a tua, pensamento.

.

Hei-de cantar-vos a beleza um dia,

quando a luz que não nego abrir o escuro

da noite que nos cerca como um muro,

e chegares a teus reinos, alegria.

.

Entretanto, deixai que me não cale

até que o mundo funda, a treva estale,

seja a tristeza o vinho da vingança.

.

A minha voz de morte é a voz da luta:

se quem confia a própria dor prescruta,

maior glória tem em ter esperança.

Carlos de Oliveira

Pensar em ti
Junho 10, 2010

 

Exactamente como foi, o medo de me enganar
mais tarde na memória – é tudo o que me resta: estar
de noite às escuras a pensar em ti

E se me lembro mal, se troco às vezes, naquela
quinta-feira o dia do amor em vez de ser
na quarta, o erro surge-me gigante,
um peso carregado como Atlas

Por isso é que preciso de lembrar coisas
exactas, como aconteceu tudo; não só
transpor depois na ficção recolhida, sou eu
que te preciso e dos teus dias
que me foram meus

Lembrar-me exactamente como foi, o que usei
nesse dia e o que usei no outro, até que horas
tudo, se havia gente ou não
e em que dia. Porque as palavras depois se
reconstroem

O que se disse então torna-se fácil.
Assim dito parece coisa pouca,
lugar comum e
fácil, mas as noites são grandes

e lembrar-se
exactamente,
de uma forma correcta

é-me tão importante
dentro das noites a pensar em ti
sabendo: não te vejo nunca mais

Ana Luisa Amaral

Ponto brilhante
Junho 6, 2010

És um ponto brilhante

na noite dos meus dias.

Sou o mundo onde tu não estás,

o corpo que a teus olhos não brilha.

Sou um vazio no teu escuro,

uma presença morta.

Sou olhos postos em ti

e entre eles e tu, distância.

Diogo Silva