Pátria
Maio 15, 2013

Por um país de pedra e vento duro

Por um país de luz perfeita e clara

Pelo negro da terra e pelo branco do muro

.

Pelos rostos de silêncio e de paciência

que a miséria longamente desenhou

rente aos ossos com toda a exactidão

do longo relatório irrecusável

.

E pelos rostos iguais ao sol e ao vento

.

E pela limpidez das tão amadas

palavras sempre ditas com paixão

Pela cor e pelo peso das palavras

Pelo concreto silêncio limpo das palavras

donde se erguem as coisas nomeadas

Pela nudez das palavras deslumbradas

.

– Pedra rio vento casa

pranto dia canto alento

espaço raiz e água

Ó minha pátria e meu centro

.

me dói a lua me soluça o mar

e o exílio se inscreve em pleno tempo

SONY DSC

Sophia de Mello Breyner Andresen

Carta a Sophia
Outubro 14, 2012

CARTA A SOPHIA
OU
O QUINTO POEMA DO PORTUGUÊS ERRANTE

… Querida Sophia: como os índios do seu poema
também eu procurei o país sem mal.
Em dez anos de exílio o imaginei
como os índios utópicos também eu queria
um outro Portugal em Portugal.
Mas quando regressei eu não o vi
como eles me perdi e nunca achei
o país sem mal.

Talvez a própria vida seja isto
passar montanha e mar sem se dar conta
de que o único sentido é procurar.
Como os índios do seu poema eu não desisto
sou um português errante a caminhar
em busca do país que não se encontra.

MANUEL ALEGRE,  em  LIVRO DO PORTUGUÊS ERRANTE

Amigos
Abril 20, 2011

Os meus amigos andam perdidos
um pouco por toda a parte.
De Lausanne ao Rio é o vasto mundo
dos desencontros, os mesmo que
de Naxos a Londres e de Manhattan ao Cabo
animam exílios vários.

Andam em diáspora os meus amigos.
Une-os, porventura, a mesma nostalgia.

Feridas antigas hipotecadas
ao futuro.

Eduardo Pitta  in  Desobediência. Poemas escolhidos