Lembra-te
Maio 18, 2019

 

Lembra-te
que todos os momentos
que nos coroaram
todas as estradas
radiosas que abrimos
irão achando sem fim
seu ansioso lugar
seu botão de florir
o horizonte
e que dessa procura
extenuante e precisa
não teremos sinal
senão o de saber
que irá por onde fomos
um para o outro
vividos

flor amarela

Mário Cesariny de Vasconcelos    em   “Pena Capital

Eu tenho medo de amar
Dezembro 9, 2018

O amor ainda está fora
esperando eu sair p´ra me atacar.
Eu tenho medo de amar.
.
Ele está armado com bombons e buquês.
E agora eu vou fazer o quê?
Eu tenho medo de amar.
.
O amor quer bater dentro de mim,
quer ser começo, meio e fim.
Eu tenho medo de amar.
.
Eu esperei escurecer e ele ainda está lá,
pois é à noite que ele gostas de atacar,
e eu ainda tenho medo de amar.

Marco António Cardoso

Medo
Setembro 2, 2016

Tu tens um medo:
acabar.
Não vês que acabas todo o dia.
Que morres no amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que te renovas todo o dia.
No amor.
Na tristeza. Na dúvida.
No desejo.
Que és sempre outro.
Que és sempre o mesmo.
Que morrerás por idades imensas.
Até não teres medo de morrer.

E então serás eterno.

Dandelion --- Image by © Dave Michaels/zefa/Corbis

Dandelion — Image by © Dave Michaels/zefa/Corbis

Cecília Meireles

Os silêncios essenciais
Setembro 13, 2015

do começo
só o que te contarem
o fim
nunca o poderás contar

no entanto
nascer e morrer
são os momentos
mais importantes da tua vida

nada mais és que o intervalo
entre dois silêncios essenciais

DSC_0332

A. H. Cravo

Amigo
Abril 16, 2015

Procura-se um amigo que me acompanhe até ao fim,
que una nossos caminhos, quando opostos.
Não precisa gostar dos mesmos gostos,
mas que goste de mim.

Preciso de um amigo para partilhar meus momentos,
que se envolva em meus pensamentos
e se comova, quando chamado de amigo.

Que me diga, eu sei que estás errado.
De qualquer forma, estou ao teu lado.
Vou contigo.

Preciso de um amigo que me desprenda da corrente,
que reviva comigo o passado,
sem nunca esquecer o presente.

Um amigo, que faça do longe, perto.
Capaz de atravessar o deserto
só para me ver contente.

Que quando morto, me faça renascer.
Que me ajude a ganhar, em vez de perder.
Que olhe pr’além do seu umbigo.

Que me abrace apertado, sem qualquer medo.
Que se sente do meu lado, que guarde um segredo.
Que goste de mim, que me chame de Amigo.

1217983958_casal_lua1

José Carlos SC

Perdido
Fevereiro 2, 2015

Amar o perdido
deixa confundido
este coração.

Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.

As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão.

Mas as coisas findas
muito mais que lindas,
essas ficarão.

estrelas 2

Carlos Drummond de Andrade

Cendrada luz
Dezembro 6, 2011

Cendrada luz enegrecendo o dia,

tão pálida nos longes dos telhados !

Para escrever mal vejo e todavia

a dor libérrima que a mão me guia

essa me vê, conforta meus cuidados.

.

Ao fim terrível que me espera extenso,

nenhum conforto poderei pedir.

Da liberdade o desdobrado lenço

meu rosto cobrirá. Nem sei se penso

ou pensarei quando de mim fugir.

.

Perdem-se as letras. Noite, meu amor,

ó minha vida, eu nunca disse nada.

Por nós, por ti, por mim, falou a dor.

E a dor é evidente – libertada.

Jorge de Sena

Sem depois
Fevereiro 4, 2011

Todas as vidas gastei para morrer contigo.

 

E agora

esfumou-se o tempo

e perdi o teu passo

para além da curva do rio.

 

Rasguei as cartas.

Em vão,

o papel restou intacto.

Só os meus dedos murcharam, decepados.

 

Queimei as fotos.

Em vão.

As imagens restaram incólumes,

e só os meus olhos se desfizeram

no dom das cinzas.

 

Com que roupa vestirei a minha alma

agora que já não há domingos?

Depois de te viver, não há poente.

Nem o enfim de um fim.

 

Todas as mortes gastei, para viver contigo.

 

Mia  Couto

Se hás-de gostar de mim
Dezembro 17, 2010

Se hás-de gostar de mim, seja, sómente,

por amor. Nunca penses : “Ela agrada

pelo sorriso, – o olhar, – a delicada

maneira por que sempre fala e sente, –

 

a forma de pensar, íntimamente,

à minha, por meu bem, acomodada” –

pois, que não mude, nisso, não há nada,

e mudar pode o amor só nisso assente.

 

Nem deves, meu Amor, gostar de mim

por teu carinho os olhos me enxugar;

teu amor perderei, a ser assim,

 

se, por te ter, já não souber chorar.

Ama só por amor, que não tem fim,

para, também sem fim, poder’s amar.

 

Elizabeth  Browning

De quem as mãos
Fevereiro 4, 2010

De quem as mãos

trocadas minhas tuas

entrelaçadas nuas

dadas?

Onde é que eu já não sou

e tu já és?

Que fronteira de nós?

Não se explica no gesto nem na voz

o ponto onde eu começo e tu acabas.

Rosa Lobato de Faria