Lembra-te
Maio 18, 2019

 

Lembra-te
que todos os momentos
que nos coroaram
todas as estradas
radiosas que abrimos
irão achando sem fim
seu ansioso lugar
seu botão de florir
o horizonte
e que dessa procura
extenuante e precisa
não teremos sinal
senão o de saber
que irá por onde fomos
um para o outro
vividos

flor amarela

Mário Cesariny de Vasconcelos    em   “Pena Capital

Anúncios

A mulher mais bonita do mundo
Maio 12, 2019

estás tão bonita hoje. quando digo que nasceram
flores novas na terra do jardim, quero dizer
que estás bonita.

entro na casa, entro no quarto, abro o armário,
abro uma gaveta, abro uma caixa onde está o teu fio
de ouro.

entre os dedos, seguro o teu fino fio de ouro, como
se tocasse a pele do teu pescoço.

há o céu, a casa, o quarto, e tu estás dentro de mim.

estás tão bonita hoje.

os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios.

estás dentro de algo que está dentro de todas as
coisas, a minha voz nomeia-te para descrever
a beleza.

os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios.

de encontro ao silêncio, dentro do mundo,
estás tão bonita é aquilo que quero dizer.

José Luis Peixoto

Quando vier a Primavera
Março 22, 2019

Quando vier a Primavera,
se eu já estiver morto,
as flores florirão da mesma maneira
e as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada.
A realidade não precisa de mim.

Sinto uma alegria enorme
ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma

Se soubesse que amanhã morria
e a Primavera era depois de amanhã,
morreria contente, porque ela era depois de amanhã.
Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo?
Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo;
e gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse.
Por isso, se morrer agora, morro contente,
porque tudo é real e tudo está certo.

Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem.
Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele.
Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências.
O que for, quando for, é que será o que é.

Primavera 4

Alberto Caeiro,    em    “Poemas Inconjuntos
(Heterónimo de Fernando Pessoa)

Diário V
Janeiro 24, 2019

o perfume

eleva a pele a algo entre

o veludo e o abraço.

cola-se na minha memória

a mistura de tangerinas,

rosas, lilases.

e traz com elas dias inteiros.

falando de amor ou não

Silvia Chueire

Explicação
Julho 13, 2018

Só isto : trouxeste sol e calor

quando fazia frio…

.

Agora, de novo

alguém para se querer, para se chamar

de querida.

.

Só isto : trouxeste uma flor

e a fizeste crescer e desabrochar

neste ramo vazio

que era a minha vida.

SONY DSC

J. G. Araújo Jorge

Tu virás
Maio 29, 2018

Olhos postos na terra, tu virás
no ritmo da própria primavera,
e como as flores e os animais
abrirás nas mãos de quem te espera.

cravo branco

Eugénio de Andrade

O último Poema
Setembro 16, 2017

Assim eu quereria meu último poema

Que fosse terno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais

Que fosse ardente como um soluço sem lágrimas

Que tivesse a beleza das flores quase sem perfume

A pureza da chama em que se consomem os diamantes mais límpidos

A paixão dos suicidas que se matam sem explicação.

Flores.png

Manuel Bandeira    em   Estrela da Vida Inteira- poesias reunidas

Tu és a terra
Julho 20, 2017

 

Tu és a terra em que pouso.
macia, suave, terna, e dura o quanto baste
a que teus braços como tuas pernas
tenha de amor a força que me abraça.

És também pedra qual a terra às vezes
contra que nas arestas me lacero e firo,
mas de musgo coberta refrescando
as próprias chagas de existir contigo.

E sombra de árvores, e flores e frutos,
rendidos ao meu gosto e meu sabor.
E uma água cristalina e murmurante
que me segreda só de amor no mundo.

És a terra em que pouso. Não paisagem,
não Madre Terra ou raptada ninfa
de bosques e montanhas. Terra humana
em que me pouso inteiro e para sempre.

lilás

Jorge de Sena

O silêncio
Maio 31, 2017

O silêncio dói como pedra na língua.

A vida por vezes não tem esperança nem sentido,

tudo parece em paz e no entanto o amor

tem sempre uma mais fria recompensa.

Desde a primeira flor, pouco ainda mudou

essa face da noite com a face do Homem.

O rouxinol canta, sim, a dor do Homem canta

e à força de a esquecer aprende-se a esquecer.

O silêncio é de passos que atormentam a noite

e que ao fundo do fogo vão buscar a luz

para fazer arder as horas até ao orvalho

onde a manhã se ri com os dentes da água.

Às vezes vagueia pelo pomar da noite

uma égua perdida numa nesga de luz,

é a dor que pergunta e procura uma casa

junto à erva do peito, sob os olhos calados.

novembro2

Joaquim Pessoa

O resgate
Abril 25, 2017

Alegria por vezes dispersiva
quem a tem não a tinha tido antes,
quando os homens falavam, hesitantes,
da liberdade ausente e sempre esquiva.
.
Uma alegria cristalina e viva
com belos movimentos ondulantes
de rios bravios, de multidões vibrantes,
que levam as derrotas à deriva.
.
Derrocada dos donos e senhores,
na hora justa que explode em flores,
no resgate de tantos desenganos.
.
Alegria, alegria, tu nos levas
contigo, e atrás de ti ficam as trevas,
as trevas temerosas dos tiranos.

SONY DSC

Sidónio Muralha