Sem depois
Fevereiro 4, 2011

Todas as vidas gastei para morrer contigo.

 

E agora

esfumou-se o tempo

e perdi o teu passo

para além da curva do rio.

 

Rasguei as cartas.

Em vão,

o papel restou intacto.

Só os meus dedos murcharam, decepados.

 

Queimei as fotos.

Em vão.

As imagens restaram incólumes,

e só os meus olhos se desfizeram

no dom das cinzas.

 

Com que roupa vestirei a minha alma

agora que já não há domingos?

Depois de te viver, não há poente.

Nem o enfim de um fim.

 

Todas as mortes gastei, para viver contigo.

 

Mia  Couto