Escrevo…
Novembro 17, 2009

Escrevo com a luz do coração

o que sinto, o que sofro e o que canto,

e as palavras ditas com paixão

escondem o meu sonho no seu manto.

Escrevo com a fúria dum vulcão

que atinge os valados do meu pranto.

Escrevo como uma libertação,

uma muralha erguida ao desencanto.

Escrevo com a minha vida inteira,

o meu acaso, o meu infinito,

a força que me leva e me domina.

Escrevo com a mão firme e ligeira,

ou lenta e apagada, o meu grito,

o meu espanto louco de menina.

 

Diana Sá

Não posso adiar o coração
Dezembro 8, 2008

Não posso adiar o amor

.

Não posso adiar o amor para outro século

não posso

ainda que o grito sufoque na garganta

ainda que o ódio estale e crepite e arda

sob montanhas cinzentas

e  montanhas cinzentas

.

Não posso adiar este abraço

que é uma arma de dois gumes

amor e  ódio

.

Não posso adiar

ainda que a noite pese séculos sobre as costas

e  a aurora indecisa demore

não posso adiar para outro século a minha vida

nem o meu amor

nem o meu grito de libertação

.

Não posso adiar o coração

docecoracao

 António Ramos Rosa