Recuso-me
Outubro 27, 2015

Recuso-me a ficar amolecido,
tragicamente cilindrado,
e, muito antes de lutar – vencido,
e, muito antes de morrer – violado.
.
Recuso-me ao silêncio e à mordaça.
Serei independente, livre e exacto.
A verdade é uma força que ultrapassa
a própria dimensão em que combato.
.
Recuso-me a servir a violência,
embora a minha voz de nada valha,
mas que me fique ao menos a consciência
de que tentei romper esta muralha.
.
Recuso-me a ter medo e a estiolar
na concha dos poetas sem mensagem.
Que me levem o corpo e a coragem
mas que me fique esta voz para cantar.

homem-tristeza

João Apolinário

Discurso de Péricles aos Atenienses
Junho 29, 2015

 

Deixai-os em treino permanente
como se a vida fosse apenas exercício
Atenas ama o vinho e a poesia
e Esparta o sacrifício

Que nos acusem de vida fácil e leviandade
Que digam que não sabemos guardar segredo
nem combater
Em Atenas reina a liberdade
e em Esparta o medo

A nossa força é a diferença

Não são precisas provações nem disciplina
Atenas vive como quer e como gosta
porque a nossa coragem não se aprende não se ensina
A nossa é de nascença
e não imposta

Deixai-os pois dizer que vão vencer
Eles fogem da vida por temor da morte
Nós vamos para a morte por amor da vida
E enquanto Esparta só combate por dever
nós iremos lutar com alegria

Por isso Atenas não será vencida

tempestade

Manuel Alegre

Quem me quiser
Junho 17, 2015

Quem me quiser há-de saber as conchas
a cantiga dos búzios e do mar.
Quem me quiser há-de saber as ondas
e a verde tentação de naufragar.

Quem me quiser há-de saber as fontes,
a laranjeira em flor, a cor do feno,
a saudade lilás que há nos poentes,
o cheiro de maçãs que há no inverno.

Quem me quiser há-de saber a chuva
que põe colares de pérolas nos ombros,
há-de saber os beijos e as uvas,
há-de saber as asas e os pombos.

Quem me quiser há-de saber os medos
que passam nos abismos infinitos,
a nudez clamorosa dos meus dedos,
o salmo penitente dos meus gritos.

Quem me quiser há-de saber a espuma
em que sou turbilhão, subitamente
– ou então não saber coisa nenhuma
e embalar-me ao peito, simplesmente.

Rosa Lobato Faria

Soneto do Escuro
Março 11, 2015

Amor, tenho saudades de outra vida

feita só de mil dias transparentes :

não te esqueças de mim se vires perdida

esta voz nas palavras mais ausentes.

.

Porque é perto da morte que escrevemos,

cada verso contém uma ameaça :

e a ternura maior que nos dizemos

é feita de penumbra fria e baça.

.

Se a voz se dá no verso e na medida

é o medo, meu amor, mais que a vontade :

o verso nada pode contra a vida ;

.

sabê-lo é a nossa liberdade.

É o medo que nos versos esconjuro

como riso vibrando no escuro.

escuro

Luís Filipe Castro Mendes

Um adeus português
Novembro 18, 2014

Nos teus olhos altamente perigosos

vigora ainda o mais rigoroso amor

a luz de ombros puros e a sombra

de uma angústia já purificada

.

Não tu não podias ficar presa comigo

à roda em que apodreço

apodrecemos

a esta pata ensanguentada que vacila

quase medita

e avança mugindo pelo túnel

de uma velha dor

.

Não podias ficar nesta cadeira

onde passo o dia burocrático

o dia-a-dia da miséria

que sobe aos olhos vem às mãos

aos sorrisos

ao amor mal soletrado

estupidez ao desespero sem boca

ao medo perfilado

à alegria sonâmbula à vírgula maníaca

do modo funcionário de viver

.

Não podias ficar nesta cama comigo

em trânsito mortal até ao dia sórdido

canino

policial

até ao dia que não vem da promessa

puríssima da madrugada

mas da miséria de uma noite gerada

por um dia igual

.

Não podias ficar presa comigo

à pequena dor que cada um de nós

traz docemente pela mão

a esta pequena dor à portuguesa

tão mansa quase vegetal

.

Não tu não mereces esta cidade não mereces

esta roda de náusea em que giramos

até à idiotia

esta pequena morte

e o seu minucioso e porco ritual

esta nossa razão absurda de ser

.

Não tu és da cidade aventureira

da cidade onde o amor encontra as suas ruas

e o cemitério ardente

da sua morte

tu és da cidade onde vives por um fio

de puro acaso

onde morres ou vives não de asfixia

mas às mãos de uma aventura de um comércio puro

sem a moeda falsa do bem e do mal

*

Nesta curva tão terna e lancinante

que vai ser que já é o teu desaparecimento

digo-te adeus

e como um adolescente

tropeço de ternura

por ti

de costas

Alexandre O’Neill

Dantes
Julho 28, 2014

Quando ia passear contigo ao campo,
tu ias sempre a rir e a cantar;
e lembra-me até uma cotovia
que um dia se calou pra te escutar,

enquanto eu apanhava os malmequeres
que nos cumprimentavam da estrada,
que, depois esfolhavas, impiedoso,
na eterna pergunta: muito ou nada?

Tu beijavas as f´ridas carminadas
que, em meus dedos, faziam os espinhos
das rosas que coravam, vergonhosas,
zangadas, de nos ver assim sozinhos.

Fitávamos as nuvens do espaço.
Que imensas! Que bonitas e que estranhas!
E ficávamos horas a pensar
se seriam castelos ou montanhas…

Que adoráveis canções de mimo e graça
os teus lábios proferiram a cantar!
tão mimosas, que as relvas da campina
ficavam pensativas a sonhar…

As fontes murmuravam docemente,
os teus beijos cantavam namorados;
cintilavam as pedras do caminho,
sorriam as flores pelos valados…

À hora sonhadora do poente
tinham maiores palpitações os ninhos.
Lembras-te? Íamos lavar as mãos,
vermelhas das amoras dos caminhos.

Eu brincava a correr atrás de ti;
uma sombra perseguindo um clarão…
E no seio da noite, os nossos passos
pareciam encher de sol a ’scuridão!

Olhando tanta estrela, tu dizias:
olha a chuva de prata que nos cobre!
Depois, numa expressão amarga e branda
recitavas, chorando, António Nobre!…

Eu tinha medo, um medo atroz infindo
de passar pelos campos a tal hora,
mas, olhando os teus olhos cintilantes,
a noite semelhava uma aurora!

E já passaram esses áureos tempos,
e já fugiu a nossa mocidade!…
Mas quando penso nesses dias lindos,
que tortura, minh’alma, e que saudade!

Em “Trocando olhares” 1915-1917
Florbela Espanca

DANTES</p><br />
<p>Quando ia passear contigo ao campo,<br /><br />
Tu ias sempre a rir e a cantar;<br /><br />
E lembra-me até uma cotovia<br /><br />
Que um dia se calou pra te escutar,</p><br />
<p>Enquanto eu apanhava os malmequeres<br /><br />
Que nos cumprimentavam da estrada,<br /><br />
Que, depois esfolhavas, impiedoso,<br /><br />
Na eterna pergunta: muito ou nada?</p><br />
<p>Tu beijavas as f´ridas carminadas<br /><br />
Que, em meus dedos, faziam os espinhos<br /><br />
Das rosas que coravam, vergonhosas,<br /><br />
Zangadas, de nos ver assim sozinhos.</p><br />
<p>Fitávamos as nuvens do espaço.<br /><br />
Que imensas! Que bonitas e que estranhas!<br /><br />
E ficávamos horas a pensar<br /><br />
Se seriam castelos ou montanhas...</p><br />
<p>Que adoráveis canções de mimo e graça<br /><br />
Os teus lábios proferiram a cantar!<br /><br />
Tão mimosas, que as relvas da campina<br /><br />
Ficavam pensativas a sonhar...</p><br />
<p>As fontes murmuravam docemente,<br /><br />
Os teus beijos cantavam namorados;<br /><br />
Cintilavam as pedras do caminho,<br /><br />
Sorriam as flores pelos valados...</p><br />
<p>À hora sonhadora do poente<br /><br />
Tinham maiores palpitações os ninhos.<br /><br />
Lembras-te? Íamos lavar as mãos,<br /><br />
Vermelhas das amoras dos caminhos.</p><br />
<p>Eu brincava a correr atrás de ti;<br /><br />
Uma sombra perseguindo um clarão...<br /><br />
E no seio da noite, os nossos passos<br /><br />
Pareciam encher de sol a ’scuridão!</p><br />
<p>Olhando tanta estrela, tu dizias:<br /><br />
Olha a chuva de prata que nos cobre!<br /><br />
Depois, numa expressão amarga e branda<br /><br />
Recitavas, chorando, António Nobre!...</p><br />
<p>Eu tinha medo, um medo atroz infindo<br /><br />
De passar pelos campos a tal hora,<br /><br />
Mas, olhando os teus olhos cintilantes,<br /><br />
A noite semelhava uma aurora!</p><br />
<p>E já passaram esses áureos tempos,<br /><br />
E já fugiu a nossa mocidade!...<br /><br />
Mas quando penso nesses dias lindos,<br /><br />
Que tortura, minh’alma, e que saudade!</p><br />
<p>In “Trocando olhares” 1915-1917<br /><br />
Editora Martin Claret</p><br />
<p>Florbela Espancaflorbelaespanca.thumbnail

Hoje
Novembro 12, 2012

Hoje não sei do que sou capaz.

.

Às vezes não procuramos respostas.

Outras, não conseguimos vê-las.

.

De vez em quando a inteligência deixa-nos

como um cônjuge saturado, incapaz de nos suportar.

Mas temos obrigação de viajar

espreitando pelas janelas da água, pelo postigo da indulgência,

espalhar pela distância o embaraço

de modo a regressar felizes como crianças exibindo

troféus coloridos de algodão de açúcar.

.

Disputamos muitos jogos num estádio vazio

desperdiçando as mais flagrantes oportunidades,

porque aceitamos como normal o medo de vencer.

E no entanto todos os momentos são bons

para escutar o mar ou palmilhar desertos

com uma candeia ou com um sol por companheiros

que possam ajudar-nos a dissipar o conjunto das sombras

e, na dúvida, reconhecer a forma das coisas,

as que nos pertencem e as que nunca serão nossas

mas que queremos nossas por não nos pertencerem.

.

O que puderes tocar, tenta alcançá-lo.

O que não puderes saber, não ignores.

Constrói a casa em pleno mar.

Percorre a estrada em pleno voo.

Joaquim  Pessoa em   O Pouco é para Ontem

Data
Agosto 5, 2012

Tempo de solidão e de incerteza
Tempo de medo e tempo de traição
Tempo de injustiça e de vileza
Tempo de negação

Tempo de covardia e tempo de ira
Tempo de mascarada e de mentira
Tempo de escravidão

Tempo dos coniventes sem cadastro
Tempo de silêncio e de mordaça
Tempo onde o sangue não tem rasto
Tempo da ameaça

Sophia Mello Breyner

Palavras 3
Setembro 18, 2011

É costume atirá-las sobre o medo.

Dizê-las sem pudor sobre o palco da noite

com grandes gestos gritos lágrimas.

Com elas percorremos

os oblíquos caminhos

que a solidão conhece.

Com elas ardilosos

enganamos a alma.

Mas são as outras

as claras as fugazes

as tímidas as doces

as pequenas palavras

que salvam os amantes.

Rosa  Lobato de Faria

isto vai
Julho 25, 2011

por noites de insónia e de alcatrão

por laranjais e lábios ressequidos

pelo desespero na voz e escuridão

isto vai caro amigo (…)

pelo cabo axial que liga a nossa esperança

pela luz dos cabelos pelo sal

pela palavra remo pela palavra ódio

isto vai caro amigo (…)

pelos carris do medo pelas árvores

pela inocência e fome pelos perigos

pelos sinais fraternos pelas lágrimas

isto vai caro amigo

pela dureza do espaço

e em jardins falsíssimos

isto vai caro amigo

João Rui de Sousa   Ça ira