Tempo de Poesia
Dezembro 13, 2012

Todo o tempo é de poesia.

Desde a névoa da manhã
à névoa de outro dia.

Desde a quentura do ventre
à frigidez da agonia.

Todo o tempo é de poesia.

Entre bombas que deflagram.
Corolas que se desdobram.
Corpos que em sangue soçobram
Vidas que a amar se consagram.

Sob a cúpula sombria
das mãos que pedem vingança.
Sob o arco da aliança
da celeste alegoria.

Todo o tempo é de poesia.

Desde a arrumação do caos
à confusão da harmonia.

ANTÓNIO GEDEÃO,  em  “POESIA COMPLETA

Anúncios

Eu
Fevereiro 6, 2012

Eu sou a que no mundo anda perdida,

eu sou a que na vida não tem norte,

sou a irmã do Sonho, e desta sorte

sou a crucificada… a dolorida…

.

Sombra de névoa ténue e esvaecida,

e que o destino amargo, triste e forte,

impele brutalmente até à morte!

Alma de luto sempre incompreendida!…

.

Sou aquela que passa e ninguém vê…

Sou a que chamam triste sem o ser…

Sou a que chora sem saber porquê…

.

Sou talvez a visão que alguém sonhou,

alguém que veio ao mundo p’ra me ver

e que nunca na vida me encontrou!

Florbela  Espanca

Alegoria moral
Maio 25, 2011

Um dia em que a mulher nasça do caule da roseira
que cresce no quintal; ou um dia em que a nuvem
desça do céu para vestir de névoa os seus
seios de flor: seguirei o caminho da água nos
canteiros que me levam ao caule, e meter-me-ei
pela terra em busca da raíz.

Nesse dia em que os cabelos da mulher se
confundirem com os fios luminosos que o sol
faz passar pela folhagem; e em que um perfume
de pólen se derramar no ar liberto da névoa:
procurarei o fundo dos seus olhos, onde corre


uma transparência de ribeiro.

Um dia irei tirar essa mulher de dentro da flor,
despi-la das suas pétalas, e emprestar-lhe o véu
da madrugada. Então, vendo-a nascer com o dia,
desenharei nuvens com a cor dos seus lábios, e
empurrá-las-ei para o mar com o vento brando
da sua respiração.

Depois, cobrirei essa mulher que nasceu da roseira
com o lençol celeste; e vê-la-ei adormecer, como
um botão de rosa, esperando que a nuvem desça
do céu para a roubar ao sonho da flor.

Nuno Júdice

Numa fotografia
Fevereiro 26, 2010

Não sejas como a névoa, nem quimera.

Demora-te, demora-te assim :

faz do olhar

tempo sem tempo, espaço

limpo – do deserto ou do mar.

Eugénio de Andrade

Névoa
Outubro 29, 2008

Procurei-te e não te encontrei,

embora tu soubesses que eu ia.

Foi fuga, imprevisto, adeus? Não sei.

Foi névoa baça sobre o meu dia…

.

Não conheço o correr da tua lei,

nem a luz invisível que te guia.

Pergunto a mim própria se estarei

uma vez mais seguindo a fantasia…

Algo me diz que eu sou importante

para ti, que agora, neste instante,

pensas em nós e sonhas com a hora

.

de acabar com os mal-entendidos.

Mas como acreditar? Os meus sentidos

buscam-te, tensos, e tu vais embora.

.

 Diana Sá