Pedaço de nada
Fevereiro 8, 2011

Fugiu-me um pedaço de nada

da palma da minha mão.

Fiquei com a mão vazia

e um nó no coração.

 

Tanta falta, quem diria,

esse nada me faria.

Mas era um nada invulgar,

não vou achar o seu par.

 

Não têm conta os que somei,

os nadas que já perdi.

E  nem assim aprendi,

nem assim a mão fechei.

 

M  J  Rijo 

Coisas
Setembro 30, 2010

Existem coisas que guardo para mim.

Existem coisas que não conto a ninguém,

eu as guardo para mim.

Eu as salvo do mundo,

as transformo em nós e laçadas

na medida em que teço o véu da memória.

Às vezes eu faço diamantes com elas…

Existem outras coisas também,

outras minhas,

essas são poesias.

Pedro Pizelli