A Palavra não tem Olhos
Agosto 6, 2013

A Palavra não tem olhos mas pálpebras de neblina

às vezes transparente. Por isso ela caminha lentamente

como uma sombra em corredores de sombra

e treme como se fosse cair ou perder o seu hálito

.

Ela quer ler a sua própria chama

que às vezes não é mais do que um archote de cal

Nunca sabe o dia da semana porque o seu calendário é o vento

e arde sob a chuva da sombra como uma lâmpada trémula

.

Mas o seu rosto não se vê em nenhum espelho

e embate na porta atrás da qual se ouvem ecos

que não são de ninguém ou já foram e talvez sejam de retratos

e procura levantar a parede que falta sempre num dos seus lados

fosforo-autor-desconhecido

António Ramos Rosa