Escrevo-te
Agosto 16, 2018

 Escrevo-te com o fogo e a água.

 Escrevo-te no sossego feliz das folhas e das sombras.

Escrevo-te quando o saber é sabor, quando tudo é surpresa.

Vejo o rosto escuro da terra em confins indolentes.

 Estou perto e estou longe num planeta imenso e verde.

 O que procuro é um coração pequeno, um animal perfeito e suave.

 Um fruto repousado, uma forma que não nasceu, um torso ensanguentado,

 uma pergunta que não ouvi no inanimado,

 um arabesco talvez de mágica leveza.

Quem ignora o sulco entre a sombra e a espuma?

 Apaga-se um planeta, acende-se uma árvore.

 As colinas inclinam-se na embriaguez dos barcos.

 O vento abriu-me os olhos, vi a folhagem do céu,

 o grande sopro imóvel da primavera efémera.

.

 António Ramos Rosa

(Volante Verde – 1986)

Apocalipse
Maio 22, 2018

Todos os dias vivemos

os nossos pequenos apocalipses

como se nada fosse,

carregamos

a indiferença como um lenço de seda

à volta do pescoço,

a morte faz-nos sinal

em cada folha primaveril

da árvore-noite,

aquela que nos chama

com uivos de lobo

quando a olhamos

barricados atrás das nossas janelas

de presos à residência

sobre este planeta que corre

na negra água cósmica.

estrelas

Isabel Meyrelles