Versos de Natal
Dezembro 25, 2019

Espelho, amigo verdadeiro,
tu refletes as minhas rugas,
os meus cabelos brancos,
os meus olhos míopes e cansados.
Espelho, amigo verdadeiro,
mestre do realismo exato e minucioso,
obrigado, obrigado!

Mas se fosses mágico,
penetrarias até o fundo desse homem triste,
descobririas o menino que sustenta esse homem,
o menino que não quer morrer,
que não morrerá senão comigo,
o menino que todos os anos na véspera do Natal
pensa ainda em pôr os seus chinelinhos atrás da porta.

Manuel Bandeira    em    “Lira dos cinquenta anos”, 1940

III
Abril 13, 2016

Saio de casa
e deito-me no chão,
inocente,
liberto do peso das palavras
e da Primavera.
.
Encontrei enfim a porta secreta
que liga o sonho dos vivos
ao que há de mais belo na morte
– esta embriaguez com boca
do hálito da terra.
.
Morte verdadeira, para quê?

dreaming_myself_away_by_bellatina

José Gomes Ferreira

O buraco da agulha
Abril 7, 2016

Vou de camelo pelo buraco de uma agulha
vou de camelo e não encontro o reino.
.
A porta é estreita mas os ricos
estão a comprar passagem e estão a entrar.
.
Vou de camelo pela oferta e a procura
e há quem pense que o céu também tem preço.
.
Tens de vir outra vez para dizer
que não pode servir-se a dois senhores.
.
Vou de camelo pela porta estreita
vou de camelo e não consigo entrar.
.
Tens de vir outra vez que os fariseus
não nos deixam passar não nos deixam passar.

Manuel Alegre

Manuel Alegre

Libertação
Abril 10, 2015

Menino doido, olhei em roda e vi-me

fechado e só na grande sala escura.

(Abrir a porta, além de ser um crime,

era impossível para a minha altura…)

.

Como passar o tempo?… E diverti-me

desta maneira trágica e segura:

pegando em mim, rasguei-me, abri, parti-me,

desfiz trapos, arames, serradura…

.

Ah, meu menino histérico e precoce!

Tu, sim!, que tens mãos trágicas de posse,

e tens a inquietação da Descoberta!

.

O menino, por fim, tombou cansado;

o seu boneco aí jaz, esfarelado…

E eu acho, nem sei como, a porta aberta!

criança

José  Régio

De novo
Março 28, 2013

De novo os passos, mansos, nas escadas.

De novo as chaves a cantar na porta.

Tulipas de silêncio amedrontadas

aguardam o sorriso que conforta.

.

De novo as mãos onde despontam rios.

De novo os olhos onde oscila a lua.

E desato as amarras dos navios

e das palavras que me fazem tua.

.

Chegar é confessar que me desejas.

Calar é confirmar que não dispenso

o gesto em que, gaivota, me insinuo…

.

Se de leve no ombro tu me beijas,

pela seda da roupa te pertenço

pela sede da boca te possuo.

olhosnosolhos

Rosa Lobato de Faria

Talvez
Fevereiro 16, 2012

Talvez um destes dias
ao regressar por palavras desertas
de ausentes poemas
não encontre ninguém
real
que me abra a porta.

Talvez essa porta presa por um fio
no limiar do vento
se tenha já desvanecido
entre brumas e cansaços
ou talvez nem tenha existido,
um dia.

Os meus olhos cegos de ver
secarão, talvez.
O meu nome ter-se-á perdido
das vozes dos pássaros e ninguém
mais o pronunciará.

Há nisso um fio de sangue a verter,
uma mancha vermelha em redor de sonhos
desfigurados.
Mas há nisso ainda um leve estremecer,
uma pequena chama
a clamar por um sopro
que a faça incêndio.

LÍDIA BORGES

Os anos são degraus
Agosto 23, 2011


Foto @ Life is Beautiful


Os anos são degraus, a Vida a escada.
Longa ou curta, só Deus pode medi-la.
E a Porta, a grande Porta desejada,
só Deus pode fechá-la,
pode abri-la.

São vários os degraus; alguns sombrios,
outros ao sol, na plena luz dos astros,
com asas de anjos, harpas celestiais.
Alguns, quilhas e mastros
nas mãos dos vendavais.

Mas tudo são degraus; tudo é fugir
à humana condição.
Degrau após degrau,
tudo é lenta ascensão.

Senhor, como é possível a descrença,
imaginar, sequer, que ao fim da Estrada,
se encontre após esta ansiedade imensa
uma porta fechada
e mais nada?

Fernanda de Castro, in “Asa do Espaço”

Portas
Março 12, 2010

Portas no desamparo…

A vida abre-se,

horizontes espraiam-se,

é preciso procurar novos rumos.

O passado persiste,

com as suas luzes e sombras.

O futuro é uma incógnita,

depois dos castigos do tempo.

É difícil continuar…

O presente obriga a mudanças.

É preciso recomeçar.

Diana Sá

Verdade
Julho 13, 2009

brisa_2_thumb3

A porta da verdade estava aberta,

mas só deixava passar

meia pessoa de cada vez.

Assim não era possível atingir toda a verdade,

porque a meia pessoa que entrava

só trazia o perfil de meia verdade,

e a sua segunda metade

voltava igualmente com meios perfis

e  os meios perfis não coincidiam verdadeiramente…

Arrebentaram a porta.

Derrubaram a porta,

chegaram ao lugar luminoso

onde a verdade esplendia seus fogos.

Era dividida em metades

diferentes uma da outra.

Chegou-se a discutir qual a metade mais bela.

Nenhuma das duas era totalmente bela

e  carecia optar.

Cada um optou conforme

seu capricho,

sua ilusão,

sua miopia.

 

Carlos Drummond de Andrade

 

Não se repete a dor
Abril 2, 2009

cambodja

Não se repete a dor  não se repete a alegria

inteiras  renascidas  de cada vez

por isso viver é  a maravilha

de  viver milhões de vidas

de  haver sempre outra porta para abrir

e  o  desejo de abri-la.

 

Fernando Namora