A uma desconhecida
Janeiro 26, 2016

Encontrei-te por acaso no meio do ruído,

calma e refulgente.

Deixaste-me um retrato, depois desapareceste,

ficou apenas um rasto de sal.

Em troca, espero o teu regresso da vertigem.

.

Todos os dias pressinto a tua fotografia

confidente, longínqua,

isolado por entre a multidão.

E sei, desde o início, que só amarei

quando, por acaso no meio do ruído,

alguém semelhante a ti a reclame.

amores-impossiveis-3162451-1238

Joel  Henriques

Devagarinho
Dezembro 29, 2012

Passemos, tu e eu, devagarinho,
sem ruído, sem quase movimento,
tão mansos que a poeira do caminho
… a pisemos sem dor e sem tormento.

Que os nossos corações, em torvelinho
de folhas arrastadas pelo vento,
saibam beber o precioso vinho,
a rara embriaguez deste momento.

E, se a tarde vier, deixá-la vir…
E, se a noite quiser, pode cobrir
triunfalmente o céu de nuvens calmas…

De costas para o sol, então veremos
fundir-se as duas sombras que tivemos
numa só sombra, como as nossas almas.

REINALDO FERREIRAem  POETAS DE MOÇAMBIQUE

Espionagens verbais
Março 7, 2012

Anda desde a manhã uma palavra
… a perseguir-me, a espreitar-me de longe
em atitude nítida de pose,
em clara posição de desafio.

Sugere-se ligeira e disfarçada,
depois foge como uma Mata-Hari
lexical. Não sei o que em mim vê:
não tenho alta patente nem estatuto.

E contudo ela anda por aí.
Sonora e inaudível, surge-me
do silêncio e dos ruídos longos,
brevíssima nos cantos ? e perigosa.

Lá passou outra vez. E anda nisto
desde que me vesti e vi o sol.
Nada a faz desistir: nem a tarde
a cair, nem a minha ameaça de fuzis.

Ana Luísa Amaral