Vesperal
Setembro 7, 2015

E, contudo, é bonito
o entardecer.
A luz poente cai do céu vazio
da ramagem
e fica esparramada em cada folha.
Imóvel, a paisagem
parece adormecida
nos olhos de quem olha.
A brisa leva o tempo
sem destino.
E o rumor citadino
ondula nos ouvidos
distraídos
dos que vão pelas ruas caminhando
devagar
e como que sonhando,
sem sonhar…

por do sol 3

Miguel Torga

Também o pulso
Setembro 10, 2013

Também, também o pulso,

também o pulso arde, e morre

a luz na pele ;

arde com rumor de amêndoa

dentro do caroço,

de criança no escuro ;

será por setembro, quando a água

da neve ainda não conhece

a boca dos poços ;

quando a frágil alegria do olhar

quebra na sombra

o seu azul, o seu aroma.

Eugénio de Andrade

Somos folhas breves onde dormem
Outubro 23, 2010

Somos folhas breves onde dormem

aves de sombra e solidão.

Somos só folhas e o seu rumor.

Inseguros, incapazes de ser flor,

até a brisa nos perturba e faz tremer.

Por isso a cada gesto que fazemos

cada ave se transforma noutro ser.

Eugénio  de  Andrade