E de novo
Outubro 28, 2019

E de novo a armadilha dos abraços.

E de novo o enredo das delícias.

O rouco da garganta, os pés descalços

a pele alucinada de carícias.

.

As preces, os segredos, as risadas

no altar esplendoroso das ofertas.

De novo beijo a beijo as madrugadas

de novo seio a seio as descobertas.

.

Alcandorada no teu corpo imenso

teço um colar de gritos e silêncios

a ecoar no som dos precipícios.

.

E tudo o que me dás eu te devolvo

E fazemos de novo, sempre novo

o amor total dos deuses e dos bichos.

coração 3

Rosa Lobato de Faria

Esperança amorosa
Outubro 16, 2019

Grato silêncio, trémulo arvoredo,
sombra propícia aos crimes e aos amores.
Hoje serei feliz! – Longe, temores,
longe, fantasmas, ilusões do medo.
.
Sabei, amigos Zéfiros, que cedo
entre os braços de Nise, entre estas flores,
furtivas glórias, tácitos favores,
hei-de enfim possuir: porém, segredo!
.
Nas asas frouxos ais, brandos queixumes
não leveis, não façais isto patente,
quem nem quero que o saiba o pai dos numes.
.
Cale-se o caso a Jove omnipotente,
porque, se ele o souber, terá ciúmes,
vibrará contra mim seu raio ardente…

Bocage

A minha secretária
Setembro 20, 2019

Tenho um ramo

de nuvens

na minha secretária

.

por entre versos

cartas

cadernos e diários

.

uma caneta

com tinta de gardénia

de paixão e soneto

.

E na gaveta de segredo

porque

a poesia salva

.

eu guardo a minha alma

despertares

Maria Teresa Horta

Nenhuma morte apagará
Fevereiro 18, 2019

Eu estava tão perto de ti que tenho frio ao pé dos outros.-  PAUL ÉLUARD

amor

Nenhuma morte apagará os beijos

e por dentro das casas onde nos amámos

ou pelas ruas clandestinas da grande cidade livre

estarão para sempre vivos os sinais de um grande amor,

esses densos sinais do amor e da morte

com que se vive a vida.

.

Aí estarão de novo as nossas mãos

e nenhuma dor será possível onde nos beijámos.

Eternamente apaixonados, meu amor. Eternamente livres.

Prolongaremos em todos os dedos os nossos gestos e,

profundamente, no peito dos amantes,

a nossa alma líquida e atormentada

.

desvendará em cada minuto o seu segredo

para que este amor se prolongue e noutras bocas

ardam violentos de paixão os nossos beijos

e os corpos se abracem mais e se confundam

mutuamente violando-se, violentando a noite

para que outro dia, afinal, seja possível.

Joaquim Pessoa

Sete
Junho 6, 2017

Pelas sete da tarde

é que o sonho começa:

a tua mão na minha

e a minha cabeça

encostada ao teu ombro.

Depois é o assombro

do amor reencontrado

a sós no nosso canto.

O silêncio e o espanto

a paixão o segredo

a recusa do medo

o meu falar alegre

o teu livro tão sério

a música tão leve

o instante tão breve

o sono e o mistério.

.

Às sete da manhã

é que o sonho termina.

E afrontamos o dia

a tua mão na minha

um trejeito na alma

um tremido na boca

até que a multidão

me leva e me sufoca

e nos desprende e solta

os meus dedos nos teus.

.

Há um barco que chega

um comboio que chora.

Num mar de gente à deriva

eu náufraga da hora

ergo um braço no ar

p’ra te dizer adeus.

beijinho

Rosa Lobato de Faria

Discurso de Péricles aos Atenienses
Junho 29, 2015

 

Deixai-os em treino permanente
como se a vida fosse apenas exercício
Atenas ama o vinho e a poesia
e Esparta o sacrifício

Que nos acusem de vida fácil e leviandade
Que digam que não sabemos guardar segredo
nem combater
Em Atenas reina a liberdade
e em Esparta o medo

A nossa força é a diferença

Não são precisas provações nem disciplina
Atenas vive como quer e como gosta
porque a nossa coragem não se aprende não se ensina
A nossa é de nascença
e não imposta

Deixai-os pois dizer que vão vencer
Eles fogem da vida por temor da morte
Nós vamos para a morte por amor da vida
E enquanto Esparta só combate por dever
nós iremos lutar com alegria

Por isso Atenas não será vencida

tempestade

Manuel Alegre

Amigo
Abril 16, 2015

Procura-se um amigo que me acompanhe até ao fim,
que una nossos caminhos, quando opostos.
Não precisa gostar dos mesmos gostos,
mas que goste de mim.

Preciso de um amigo para partilhar meus momentos,
que se envolva em meus pensamentos
e se comova, quando chamado de amigo.

Que me diga, eu sei que estás errado.
De qualquer forma, estou ao teu lado.
Vou contigo.

Preciso de um amigo que me desprenda da corrente,
que reviva comigo o passado,
sem nunca esquecer o presente.

Um amigo, que faça do longe, perto.
Capaz de atravessar o deserto
só para me ver contente.

Que quando morto, me faça renascer.
Que me ajude a ganhar, em vez de perder.
Que olhe pr’além do seu umbigo.

Que me abrace apertado, sem qualquer medo.
Que se sente do meu lado, que guarde um segredo.
Que goste de mim, que me chame de Amigo.

1217983958_casal_lua1

José Carlos SC

Segredo
Fevereiro 25, 2015

(…)

Tens um segredo? Dize-mo, que eu sei tudo

de ti, quando m’o digas com a alma.

Em palavras estranhas que mo fales,

eu compreenderei só porque te amo.

Se o teu segredo é triste, eu saberei

chorar contigo até que o esqueças todo.

Se o não podes dizer, dize que me amas,

e eu sentirei sem qu’rer o teu segredo.

Quando eu era pequena, sinto que eu

amava-te já hoje, mas de longe,

como as coisas se podem ver de longe,

e ser-se feliz só por se pensar

em chegar onde ainda não se chega.

Amor, diz qualquer coisa que eu te sinta!

Amar é...

Fernando Pessoa

Leve e delicada
Dezembro 12, 2014

Leve e delicada

como a sombra da gipsofila na parede

assim é a tua ternura.

Tem a sombra das coisas impalpáveis

mas respira e aquece

como o sangue das rosas.

,,,

Sem ela

os caminhos da minha inquietação

iriam desaguar

no terrível vazio de calar-me

de perder-me nas florestas da noite.

   …

Sem ela

nenhuma das minhas lágrimas

valeria a pena

nenhuma das minhas dúvidas

valeria a dúvida

da interrogação que te ponho

e me faz sentir segura

nos braços da tua resposta.

A tua ternura é o meu berço

o meu barco o meu brinco

o meu brinquedo

o meu urso de pêlo

o meu lençol de linho

o meu segredo.

Com ela me enfeito e me consolo

e me envolvo

e me acalmo

e me adormento

e me esqueço da morte.

Rosa Lobato de Faria

Piloto automático – 2
Junho 28, 2012

Verde vento que vestes o que resta
… da noite mal gritada em vozes loiras,
ensina-me a rasgar os precipícios
de um corpo sem verdade nem mentira
na poeira do mundo que ainda é
talvez apenas música, talvez
respiração dos astros tresloucados
sem órbita que os olhos iluminem
no silêncio tão escuro deste céu.
Verde vento que vestes a manhã,
ensina-me a falar como quem ouve
ainda a voz de alguém, o seu segredo
que a madrugada acende no meu rosto,
ensina-me a romper o dia claro.

FERNANDO PINTO DO AMARAL,  em  POEMAS ESCOLHIDOS