Hoje
Fevereiro 5, 2020

Hoje que a tarde é calma e o céu tranqüilo,
e a noite chega sem que eu saiba bem,
quero considerar-me e ver aquilo
que sou, e o que sou o que é que tem.

Olho por todo o meu passado e vejo
que fui quem foi aquilo em torno meu,
salvo o que o vago e incógnito desejo
se ser eu mesmo de meu ser me deu.

Como a páginas já relidas, vergo
minha atenção sobre quem fui de mim,
e nada de verdade em mim albergo
salvo uma ânsia sem princípio ou fim.

Como alguém distraído na viagem,
segui por dois caminhos par a par.
Fui com o mundo, parte da paisagem;
comigo fui, sem ver nem recordar.

Chegado aqui, onde hoje estou, conheço
que sou diverso no que informe estou.
No meu próprio caminho me atravesso.
Não conheço quem fui no que hoje sou.

Serei eu, porque nada é impossível,
vários trazidos de outros mundos, e
no mesmo ponto espacial sensível
que sou eu, sendo eu por me ’star aqui ?

Serei eu, porque todo o pensamento
podendo conceber, bem pode ser,
um dilatado e múrmuro momento,
de tempos-seres de quem sou o viver ?

fp

 Fernando Pessoa

agora
Dezembro 1, 2019

é uma vida inteira à procura

de outra pessoa maior do que tu

que acreditas escondida em ti

amanhã farás melhor

amanhã farás o que não fizeste

amanhã terás todos os olhos em ti

amanhã serás maior que a estrela maior

e amanhã já se passou tempo de ser

de aceitar isso que se é

o que és agora mesmo

agorinha

aqui mesmo

com os pés descalços sobre a areia que não é tua

mas sim, amanhã receberás um prémio por seres o que não és ou não consegues, ou não queres ser

amanhã ou daqui a dez anos

o que te garanto é que o que és, és agora.

pensativa

Franz E.

Escavação
Janeiro 31, 2019

Numa ânsia de ser alguma cousa,

divago por mim mesmo a procurar,

desço-me todo, em vão, sem nada achar,

e minh’alma perdida não repousa!

.

Nada tendo, decido-me a criar.

Brando a espada, sou luz harmoniosa

e chama genial que tudo ousa

unicamente à força de sonhar…

.

Mas a vitória fulva esvai-se logo…

                                                            E cinzas, cinzas só, em vez de fogo…

– Onde existo que não existo em mim?

.

Um cemitério falso sem ossadas,

noites de amor sem bocas esmagadas –

tudo outro espasmo que princípio ou fim…

bando

Mário de Sá Carneiro

Soneto de Véspera
Fevereiro 9, 2018

Quando chegares e eu te vir chorando

de tanto te esperar, que te direi?

E da angústia de amar-te, te esperando

reencontrada, como te amarei?

.

Que beijo teu de lágrimas terei

Para esquecer o que vivi lembrando

e que farei da antiga mágoa quando

não puder te dizer por que chorei?

.

Como ocultar a sombra em mim suspensa

pelo martírio da memória imensa

que a distância criou – fria de vida

.

imagem tua que  eu compus serena

atenta ao meu apelo e à minha pena

e que quisera nunca mais perdida…

pensativa

Vinicius de Moraes

Sou isso, enfim
Fevereiro 7, 2017

Começo a conhecer-me. Não existo.

Sou o intervalo entre o que desejo ser e os outros me fizeram,

Ou metade desse intervalo, porque também há vida…

Sou isso, enfim…

Apague a luz, feche a porta e deixe de ter barulho de chinelas no corredor.

Fique eu no quarto só com o grande sossego de mim mesmo.

É um universo barato.

fernpessoa1

s.d.

Poesias de Álvaro de Campos    em    Fernando Pessoa. Lisboa: Ática, 1944 (imp. 1993).

Meu quase sexto sentido
Junho 16, 2016

Por detrás da névoa incerta,
da bruma desconcertante,
há uma verdade encoberta,
que é, por detrás da névoa incerta,
intemporal e constante.
.
Oh névoa! Oh tempo sem horas!
Oh baça visão instável!
Que mal meus olhos afloras,
em vão transmutas, descoras…
Meu olhar é infatigável.
.
Quero saber-me quem sou
para além do que pareço
enquanto não sei e sou!
Nuvem que a mim me ocultou,
ai! meramente aconteço.
.
Com menos finalidade
do que uma folha caída
na boca da tempestade,
porque ela é, na verdade,
morte a caminho da Vida.
.
E eu não sei donde venho,
nem sei, sequer p´ra onde vou.
Rompa-se a névoa encoberta!
Quero saber-me quem sou!

nevoeiro

Reinaldo Ferreira

Pelo Sonho é que vamos
Outubro 18, 2014

Pelo Sonho é que vamos,
comovidos e mudos.
Chegamos? Não chegamos?
Haja ou não haja frutos,
pelo Sonho é que vamos.

Basta a fé no que temos.
Basta a esperança naquilo
que talvez não teremos.
Basta que a alma demos,
com a mesma alegria,
ao que desconhecemos
e ao que é do dia-a-dia.

Chegamos? Não chegamos?

- Partimos. Vamos. Somos.

dsc_0277_encantos-da-ria

Sebastião da Gama

Quando está frio
Janeiro 7, 2014

Quando está frio no tempo do frio, para mim é como se estivesse agradável,
porque para o meu ser adequado à existência das cousas
o natural é o agradável só por ser natural.

Aceito as dificuldades da vida porque são o destino,
como aceito o frio excessivo no alto do Inverno —
calmamente, sem me queixar, como quem meramente aceita,
e encontra uma alegria no facto de aceitar —
no facto sublimemente científico e difícil de aceitar o natural inevitável.

Que são para mim as doenças que tenho e o mal que me acontece
senão o Inverno da minha pessoa e da minha vida?
O Inverno irregular, cujas leis de aparecimento desconheço,
mas que existe para mim em virtude da mesma fatalidade sublime,
da mesma inevitável exterioridade a mim,
que o calor da terra no alto do Verão
e o frio da terra no cimo do Inverno.

Aceito por personalidade.
Nasci sujeito como os outros a erros e a defeitos,
mas nunca ao erro de querer compreender demais,
nunca ao erro de querer compreender só com a inteligência,
nunca ao defeito de exigir do Mundo
que fosse qualquer cousa que não fosse o Mundo.

dois_pinguins

Alberto Caeiro

Eu XV
Agosto 31, 2011

Tudo quanto penso,
tudo quanto sou
é um deserto imenso
onde nem eu estou.

Fernando Pessoa

Seus olhos
Junho 26, 2011

Seus olhos – se eu sei pintar

o que os meus olhos cegou –

não tinham luz de brilhar,

era chama de queimar;

e o fogo que a ateou

vivaz, eterno, divino,

como facho do Destino.

Divino, eterno! – e suave

ao mesmo tempo: mas grave

e de tão fatal poder,

que, um só momento que a vi,

queimar toda a alma senti…

Nem ficou mais de meu ser,

senão a cinza em que ardi.

 

Almeida Garrett (Folhas Caídas)