espelho
Fevereiro 16, 2018

espelho, és a terra onde as raízes rebentam de mistérios.

repetes as perguntas que te faço, porquê?, repetes

os olhares sem fim das coisas paradas. repetes o meu olhar.

espelho, és a parede e a pele cansada, és um silêncio a morrer a noite,

és o que ninguém quer, a verdade mais triste e cansada por dentro.

repetes as perguntas que te faço, porquê?, repetes

a desgraça, a miséria e o desespero.

espelho, quis conhecer-te e perdi-me de ti.

espelho

José Luís Peixoto

Anúncios

Suavidade
Janeiro 22, 2018

Não digas nada!
Nem mesmo a verdade
Há tanta suavidade em nada se dizer
e tudo se entender —
tudo metade
de sentir e de ver…
Não digas nada.
Deixa esquecer.

Talvez que amanhã
em outra paisagem
digas que foi vã
toda essa viagem
até onde quis
ser quem me agrada…
Mas ali fui feliz.
Não digas nada!

Fernando Pessoa    em    “Cancioneiro”

Traição
Fevereiro 13, 2017

tive vinte anos e tentei

usar palavras nessa altura

e do que disse ao que direi

ficou-me o gosto da procura

mas duvidoso é o que encontrei.

.

agora, com cinquenta e quatro,

muito delas se evaporou

tal como as deixas num teatro

em que ninguém representou,

.

que são assim modalidades

de quanto em mim é a mais verbal

traição das realidades,

oficinal e ficcional,

entre inverdades e verdades.

20100601-breathing-space-weed-600x411

Vasco Graça Moura

Entre o luar e a folhagem
Junho 28, 2016

Entre o luar e a folhagem,
entre o sossego e o arvoredo,
entre o ser noite e haver aragem
passa um segredo.
Segue-o minha alma na passagem.

Ténue lembrança ou saudade,
princípio ou fim do que não foi,
não tem lugar, não tem verdade,
atrai e dói.
Segue-o meu ser em liberdade.

Vazio encanto ébrio de si!
Tristeza ou alegria o traz?
O que sou dele a quem sorri?
Não é nem faz.
Só de segui-lo me perdi.

sonho

Fernando Pessoa
19-8-1933

Meu quase sexto sentido
Junho 16, 2016

Por detrás da névoa incerta,
da bruma desconcertante,
há uma verdade encoberta,
que é, por detrás da névoa incerta,
intemporal e constante.
.
Oh névoa! Oh tempo sem horas!
Oh baça visão instável!
Que mal meus olhos afloras,
em vão transmutas, descoras…
Meu olhar é infatigável.
.
Quero saber-me quem sou
para além do que pareço
enquanto não sei e sou!
Nuvem que a mim me ocultou,
ai! meramente aconteço.
.
Com menos finalidade
do que uma folha caída
na boca da tempestade,
porque ela é, na verdade,
morte a caminho da Vida.
.
E eu não sei donde venho,
nem sei, sequer p´ra onde vou.
Rompa-se a névoa encoberta!
Quero saber-me quem sou!

nevoeiro

Reinaldo Ferreira

É preciso avisar toda a gente
Abril 26, 2016

É preciso avisar toda a gente,
dar notícia, informar, prevenir
que, por cada flor estrangulada,
há milhões de sementes a florir.
.
É preciso avisar toda a gente,
segredar a palavra e a senha
engrossando a verdade corrente
duma força que nada a detenha.
.
É preciso avisar toda a gente
que há fogo no meio da floresta
e que os mortos apontam em frente
o caminho da esperança que resta.
.
É preciso avisar toda a gente,
transmitindo esta morse de dores.
É preciso, imperioso e urgente
mais flores, mais flores, mais flores.

labaredas

João Apolinário

Recuso-me
Outubro 27, 2015

Recuso-me a ficar amolecido,
tragicamente cilindrado,
e, muito antes de lutar – vencido,
e, muito antes de morrer – violado.
.
Recuso-me ao silêncio e à mordaça.
Serei independente, livre e exacto.
A verdade é uma força que ultrapassa
a própria dimensão em que combato.
.
Recuso-me a servir a violência,
embora a minha voz de nada valha,
mas que me fique ao menos a consciência
de que tentei romper esta muralha.
.
Recuso-me a ter medo e a estiolar
na concha dos poetas sem mensagem.
Que me levem o corpo e a coragem
mas que me fique esta voz para cantar.

homem-tristeza

João Apolinário

Paz sem vencedores e sem vencidos
Julho 5, 2015

Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos
a paz sem vencedor e sem vencidos
que o tempo que nos deste seja um novo
recomeço de esperança e de justiça.
Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos
a paz sem vencedor e sem vencidos

Erguei o nosso ser à transparência
para podermos ler melhor a vida
para entendermos vosso mandamento
para que venha a nós o vosso reino

Dai-nos

a paz sem vencedor e sem vencidos
Fazei Senhor que a paz seja de todos
dai-nos a paz que nasce da verdade
dai-nos a paz que nasce da justiça
dai-nos a paz chamada liberdade

Dai-nos Senhor paz que vos pedimos

sophia 2

Sophia de Mello Breyner Andresen

Quem a tem…
Novembro 5, 2014

Não hei-de morrer sem saber

qual a cor da liberdade.

.

Eu não posso senão ser

desta terra em que nasci.

Embora ao mundo pertença

e sempre a verdade vença,

qual será ser livre aqui,

não hei-de morrer sem saber.

.

Trocaram tudo em maldade,

é quase um crime viver.

Mas, embora escondam tudo

e me queiram cego e mudo,

não hei-de morrer sem saber

qual a cor da liberdade.

MINOLTA DIGITAL CAMERA

Jorge de Sena

meditação à beira mar
Agosto 20, 2014

 

olho agora tudo com o desprendimento
de quem nada mais tem a perder
que a si mesmo
e é tão pouco

se da vida esperei muito
dos homens nunca esperei tanto
mas é tão pouco o que deles vejo hoje
que ser mais um
é pedir de menos a mim próprio

não trago a verdade no bolso
nem a história é coisa que dono tenha
olho sinto e não entendo

continuo a gritar
dentro de um pesadelo

quem me roubou o sonho?

asruasdopensamento

A.H. Cravo