Não te rendas
Agosto 31, 2020

Não te rendas, ainda estás a tempo

de alcançar e começar de novo,

aceitar as tuas sombras

enterrar os teus medos,

largar o lastro,

retomar o voo.

Não te rendas que a vida é isso,

continuar a viagem,

perseguir os teus sonhos,

destravar os tempos,

arrumar os escombros,

e destapar o céu.

Não te rendas, por favor, não cedas,

ainda que o frio queime,

ainda que o medo morda,

ainda que o sol se esconda,

e se cale o vento:

ainda há fogo na tua alma

ainda existe vida nos teus sonhos.

Porque a vida é tua, e teu é também o desejo,

porque o quiseste e eu te amo,

porque existe o vinho e o amor,

porque não existem feridas que o tempo não cure.

Abrir as portas,

tirar os ferrolhos,

abandonar as muralhas que te protegeram,

viver a vida e aceitar o desafio,

recuperar o riso,

ensaiar um canto,

baixar a guarda e estender as mãos,

abrir as asas

e tentar de novo

celebrar a vida e relançar-se no infinito.

Não te rendas, por favor, não cedas:

mesmo que o frio queime,

mesmo que o medo morda,

mesmo que o sol se ponha e se cale o vento,

ainda há fogo na tua alma,

ainda existe vida nos teus sonhos.

Porque cada dia é um novo início,

porque esta é a hora e o melhor momento.

Porque não estás só, porque eu te amo.

despertares

Mário Benedetti

Hoje
Fevereiro 5, 2020

Hoje que a tarde é calma e o céu tranqüilo,
e a noite chega sem que eu saiba bem,
quero considerar-me e ver aquilo
que sou, e o que sou o que é que tem.

Olho por todo o meu passado e vejo
que fui quem foi aquilo em torno meu,
salvo o que o vago e incógnito desejo
se ser eu mesmo de meu ser me deu.

Como a páginas já relidas, vergo
minha atenção sobre quem fui de mim,
e nada de verdade em mim albergo
salvo uma ânsia sem princípio ou fim.

Como alguém distraído na viagem,
segui por dois caminhos par a par.
Fui com o mundo, parte da paisagem;
comigo fui, sem ver nem recordar.

Chegado aqui, onde hoje estou, conheço
que sou diverso no que informe estou.
No meu próprio caminho me atravesso.
Não conheço quem fui no que hoje sou.

Serei eu, porque nada é impossível,
vários trazidos de outros mundos, e
no mesmo ponto espacial sensível
que sou eu, sendo eu por me ’star aqui ?

Serei eu, porque todo o pensamento
podendo conceber, bem pode ser,
um dilatado e múrmuro momento,
de tempos-seres de quem sou o viver ?

fp

 Fernando Pessoa

percurso(s)
Agosto 10, 2019

faço parte de um percurso

entre o corpo quente de minha mãe e a terra fria de meu pai

não sei em que ponto da viagem estou

ou sequer se a viagem é curta ou ainda longa

tenho pó nos sapatos, mas as solas não estão gastas

já tenho rugas no rosto e marcas no corpo e no coração

mas ainda terei mais e mais

já caí e já me levantei várias vezes

e continuarei a cair,

esperando levantar-me,

ao menos um dia

Estou em viagem, em trânsito

e estar assim cansa, desilude, apeia

mas também impele, resiste e…

.

é a eterna obrigação da existência

entre dois pontos

ou muitos mais

entre pólos de energias variáveis

que afundam e emergem

que submergem e salvam

.

anda daí e junta o teu alforge ao meu

DSCN0713

André Lamas Leite

Suavidade
Janeiro 22, 2018

Não digas nada!
Nem mesmo a verdade
Há tanta suavidade em nada se dizer
e tudo se entender —
tudo metade
de sentir e de ver…
Não digas nada.
Deixa esquecer.

Talvez que amanhã
em outra paisagem
digas que foi vã
toda essa viagem
até onde quis
ser quem me agrada…
Mas ali fui feliz.
Não digas nada!

Fernando Pessoa    em    “Cancioneiro”

Pavio
Setembro 28, 2017

cora

 

És uma candeia ao canto do quarto
às vezes longe, às vezes perto.
Trazes o brilho e a coragem,
demonstras a fé nesta viagem…

– E eu estou aqui deitado,
às vezes ao frio, às vezes tapado
(cresce em mim a tempestade)
– Aqueço assim a saudade.

E no frio desta caverna
húmida e teimosamente eterna,
pingo a pingo, hoje, amanhã e depois,
lembro as vidas que não tivemos os dois.
Apenas este pavio
veio acalmar este frio
nas mãos, na mente e na alma.
Uma voz suave que acalma…

Cêra.
Quimera.
Sonho.
Coração tamanho.

António

Paisagem
Agosto 9, 2017

Cega-me a distância azul sem par
o gesto bondoso da sombra sobre o banco
a presença de algum deus sobre a paisagem
o silêncio íntimo da lonjura
um poema em estado bruto
na curva da viagem.

Maria Isabel Fidalgo

Vasco da Gama
Maio 3, 2016

Somos nós que fazemos o destino.
Chegar à Índia ou não
é um último desígnio da vontade.
Os fados a favor
e a desfavor
são argumentos da posteridade.
.
O próprio génio pode estar ausente
da façanha.
Basta que nos momentos de terror,
persistente,
o ânimo enfrente
a fúria de qualquer Adamastor.
.
O renome é o salário do triunfo.
O que é preciso, pois, é triunfar.
Nunca meia viagem consentida!
Nunca meia medida
do vinho que nos há-de embriagar!

tempestade

Manuel Alegre

Aos meus companheiros de Angola
Dezembro 14, 2015

Éramos jovens.
Sonhámos um futuro novo.
Estávamos longe de pensar
que o futuro é velho.
Às vezes está em crise
como um bêbado
à procura do seu centro de gravidade.
.
Éramos jovens.
Tínhamos a vida inteira à nossa frente.
Namorámos a manhã
com a alma virada para o mar.
Cultivámos a paixão, o amor,
os beijos, a viagem.
Lutámos contra a opressão,
contra toda e qualquer opressão.
Éramos jovens.
Tínhamos sede de justiça e de luz.
Sonhámos um país diferente,
como um poema cintilante.
Descobrimos que os países ignoram
a gramática da poesia.
Os países são coisas banais, primitivas,
habitadas pelo mal
e o mal mistura-se com o bem.
Líquidos miscíveis,
tudo é mais turvo e mais difícil.
.
Hoje alguns de nós querem reviver tudo,
refundar o passado,
investigar porque falhámos.
Ainda bem que falhámos.
Dormimos tranquilos e sãos.
A nossa alma está limpa e sábia.
.
Éramos jovens
e sonhámos um futuro novo.
Estávamos longe de pensar
que o futuro é velho
e recebe visitas ao fim da tarde.
alegria

António Costa Silva

A fala
Janeiro 14, 2015

Sou de uma Europa de periferia

na minha língua há o estilo manuelino

cada verso é uma outra geografia

aqui vai-se a Camões e é um destino.

.

Velas veleiro vento. E o que se ouvia

era sempre na fala o mar e o signo.

Gramática de sal e maresia

na minha língua há um marulhar contínuo.

.

Há nela o som do sul o tom da viagem.

O azul. O fogo de Santelmo e a tromba

de água. E também sol. E também sombra.

.

Verás na minha língua a outra margem.

Os símbolos  os ritmos  os sinais.

E Europa que não mais Mestre não mais.

mar bravo

Manuel  Alegre

Não tens perdão
Janeiro 12, 2012

Não me disseste amante, madrugada,
pedra-de-lua, pássaro, viagem.
No meu corpo de Agosto feito à estrada,
não descobriste a sombra da folhagem.
Não murmuraste ao menos solidão.
Amora, mel, morango, não disseste.
Não te pedi nem mar nem coração.
Não tens perdão.
Fui água e não bebeste.

 Rosa Lobato de Faria