Poema do Amigo aprendiz
Novembro 30, 2018

Quero ser teu amigo.

Nem de mais, nem de menos.

Nem tão longe, nem tão perto.

Na medida mais precisa que eu puder.

.

Mas amar-te como próximo, sem medida

e ficar sempre em tua vida

da maneira mais discreta que eu souber.

.

Sem tirar-te a liberdade.

sem jamais te sufocar.

Sem forçar a tua vontade.

.

Sem falar, quando for hora de calar

e sem calar, quando for hora de falar.

Nem ausente, nem presente por demais,

simplesmente, calmamente, ser-te paz.

.

É bonito ser amigo, mas, confesso,

é tão difícil aprender…

Por isso, eu te peço paciência.

.

Vou encher este teu rosto

de alegrias, lembranças!

Dá-me tempo

de acertar nossas distâncias!!!

no_celta_elemento_terra_ar_fogo_agua_nimbypolis_zpsf5934ece

José Fernando de Oliveira

Anúncios

Novembro
Novembro 3, 2016

Novembro trouxe o fim.
Nunca houvera antes tal nostalgia.
No entanto, sabíamos que teria de ser assim.
Nossas mãos não se queriam despedir,
Nossos corpos não se queriam largar, .
Náufragos despertos deste infeliz desenrolar.
Nestes dias, sim, agora… Não há mais nada.
Nada que chegue,
nada que escape,
nada que demova, que resista, que fade…
Nada, para além do breve despertar,
Nada, a não ser o ligeiro trautear, bem longe, do teu assobio.
Na desistência leve das vontades sacudidas…
Numa era de tempo em que se foi o tempo.
Nacarada nostalgia borboleteando
nos lábios fartos de soletrar palavras facilmente esquecidas,
negras, envilecidas, graças ao carvão que usámos para aquecer esta vida. Neste agridoce existencial a que chamamos de …
Nada. Porque não há nada que chegue. A ti.
neve 2
Sofia Pereira

Vasco da Gama
Maio 3, 2016

Somos nós que fazemos o destino.
Chegar à Índia ou não
é um último desígnio da vontade.
Os fados a favor
e a desfavor
são argumentos da posteridade.
.
O próprio génio pode estar ausente
da façanha.
Basta que nos momentos de terror,
persistente,
o ânimo enfrente
a fúria de qualquer Adamastor.
.
O renome é o salário do triunfo.
O que é preciso, pois, é triunfar.
Nunca meia viagem consentida!
Nunca meia medida
do vinho que nos há-de embriagar!

tempestade

Manuel Alegre

Soneto do Escuro
Março 11, 2015

Amor, tenho saudades de outra vida

feita só de mil dias transparentes :

não te esqueças de mim se vires perdida

esta voz nas palavras mais ausentes.

.

Porque é perto da morte que escrevemos,

cada verso contém uma ameaça :

e a ternura maior que nos dizemos

é feita de penumbra fria e baça.

.

Se a voz se dá no verso e na medida

é o medo, meu amor, mais que a vontade :

o verso nada pode contra a vida ;

.

sabê-lo é a nossa liberdade.

É o medo que nos versos esconjuro

como riso vibrando no escuro.

escuro

Luís Filipe Castro Mendes

A espantosa realidade das cousas
Março 12, 2014

A espantosa realidade das cousas
é a minha descoberta de todos os dias.
Cada cousa é o que é,
e é difícil explicar a alguém quanto isso me alegra,
e quanto isso me basta.

Basta existir para se ser completo.

Tenho escrito bastantes poemas.
Hei de escrever muitos mais. Naturalmente.

Cada poema meu diz isto,
e todos os meus poemas são diferentes,
porque cada cousa que há é uma maneira de dizer isto.

Às vezes ponho-me a olhar para uma pedra.
Não me ponho a pensar se ela sente.
Não me perco a chamar-lhe minha irmã.
Mas gosto dela por ela ser uma pedra,
Gosto dela porque ela não sente nada.
Gosto dela porque ela não tem parentesco nenhum comigo.

Outras vezes oiço passar o vento,
e acho que só para ouvir passar o vento vale a pena ter nascido.

Eu não sei o que é que os outros pensarão lendo isto;
mas acho que isto deve estar bem porque o penso sem estorvo,
nem idéia de outras pessoas a ouvir-me pensar;
porque o penso sem pensamentos
porque o digo como as minhas palavras o dizem.

Uma vez chamaram-me poeta materialista,
e eu admirei-me, porque não julgava
que se me pudesse chamar qualquer cousa.
Eu nem sequer sou poeta: vejo.
Se o que escrevo tem valor, não sou eu que o tenho:
o valor está ali, nos meus versos.
Tudo isso é absolutamente independente da minha vontade.

Alberto Caeiro,  em  “Poemas Inconjuntos”
Heterónimo de Fernando Pessoa

Fernando Pessoa

Palavras
Janeiro 31, 2013

amo as palavras na sua sensualidade cheia de curvas, bocas apelativas…
amo as palavras no silêncio de serem ecos do infinito que me
habita e me persegue como uma sombra de mim…
amo as palavras porque rasgam as minhas vontades no desejo de se exprimirem,porque com elas questiono a vida, me amortalho, me transcendo, me perco entre nuvens…
amo as palavras porque elas me habitam sem pecado, porque me fazem chegar ao outro lado do mundo…

 

meditando_fhdr-1assinado
Margarida  Vieira

23
Outubro 15, 2011

Busquei na saudade funda

que os seus olhos me deixaram

a coragem –

e a firmeza resistente

p’ra fugir da sua vida.

   …

Agora, já sou aquele

que os outros querem que eu seja :

normal, um pobre-diabo

que obedece ao preconceito

moralíssimo, profundo,

de beijar a eterna esfinge…

   …

Já deixei o meu amor,

já fiz a vontade ao mundo.

António  Botto

Solidão
Dezembro 4, 2010

Solidão

Pedaços de mim quebrados

Vontades apagadas

Sonhos vãos

Mãos fechadas

Apertando ilusões mortas

Como florestas

Cerradas e incertas

De árvores que crescem tortas

E  é tudo assim em mim

Um dia sim… e outro sim

E  por vezes julgo que esqueço

E  que alguma coisa apeteço

Mas não

É  sempre  solidão…

m j rijo

Crepúsculo
Julho 12, 2010

É quando um espelho, no quarto, se enfastia.

Quando a noite se destaca da cortina,

quando a carne tem o travo da saliva,

e a saliva sabe a carne dissolvida.

Quando a força de vontade ressuscita,

quando o pé sobre o sapato se equilibra,

e quando às sete da tarde morre o dia,

que dentro de nossas almas se ilumina

com luz lívida, a palavra despedida.

David  Mourão Ferreira