Espelho
Julho 22, 2014

Às vezes, queria ter apenas uma palavra

para te ver, tão leve como a flor, ou

tão doce como o amor; queria saboreá-la,

como se fosse um torrão – ou dizê-la

.

como fácil suspiro, sem dor nem tristeza.

De outras vezes, queria envolvê-la numa

espuma de frases, escondê-la sob a névoa

do verso, ou atirá-la ao vento que a

.

confundisse com a mais branca nuvem.

Mas essa palavra só existe porque diz

o que és, quando a digo; e se a não

.

digo, também o silêncio se transforma

em palavra, para que o espelho do poema

se abra, e nele o teu rosto me sorria.

Momentos de cor

Nuno  Júdice

Beleza
Março 19, 2014

Porto

Entrei no café com um rio na algibeira

e pu-lo no chão,
a vê-lo correr
da imaginação...

A seguir, tirei do bolso do colete
nuvens e estrelas
e estendi um tapete
de flores
a concebê-las.

Depois, encostado à mesa,
tirei da boca um pássaro a cantar
e enfeitei com ele a Natureza
das árvores em torno
a cheirarem ao luar
que eu imagino.

E agora aqui estou a ouvir
A melodia sem contorno
Deste acaso de existir
-onde só procuro a Beleza
para me iludir
dum destino.

José Gomes Ferreira

O teu olhar sustenta o céu imenso
Dezembro 11, 2013

Andas pela casa com passos leves,

pousas a mão no colo, sorris. E eu

acredito que o mundo te acompanha.

Como ecos do que fazes, formam-se

nuvens sobre o mar e cantam pássaros

em países distantes. Sei que é assim.

O teu olhar sustenta o céu imenso,

a luz dos astros, todas as galáxias.

mulherrosa

José  Mário  Silva

Sacode as nuvens
Julho 30, 2013

Sacode as nuvens que te poisam nos cabelos,
sacode as aves que te levam o olhar.
Sacode os sonhos mais pesados do que as pedras.

Porque eu cheguei e é tempo de me veres,
mesmo que os meus gestos te trespassem
de solidão e tu caias em poeira,
mesmo que a minha voz queime o ar que respiras
e os teus olhos nunca mais possam olhar.

rosado

SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN,  em  CORAL

Metamorfose
Março 14, 2013

fondo-bosque-de-secuoyas

Para a minha alma eu queria uma torre como esta
assim alta ,
assim de névoa acompanhando o rio.
Estou tão longe da margem que as pessoas passam
e as luzes se reflectem na água.

E contudo, a margem não pertence ao rio
nem o rio está em mim como a chuva estaria
se eu soubesse ter…
na luz desce o rio
gente passa e não sabe
que eu quero uma torre tão alta que as aves não passem
as nuvens não passem
tão alta tão alta
que a solidão possa tornar-se humana.

Jorge de Sena

Devagarinho
Dezembro 29, 2012

Passemos, tu e eu, devagarinho,
sem ruído, sem quase movimento,
tão mansos que a poeira do caminho
… a pisemos sem dor e sem tormento.

Que os nossos corações, em torvelinho
de folhas arrastadas pelo vento,
saibam beber o precioso vinho,
a rara embriaguez deste momento.

E, se a tarde vier, deixá-la vir…
E, se a noite quiser, pode cobrir
triunfalmente o céu de nuvens calmas…

De costas para o sol, então veremos
fundir-se as duas sombras que tivemos
numa só sombra, como as nossas almas.

REINALDO FERREIRAem  POETAS DE MOÇAMBIQUE

Idílio
Outubro 11, 2011

Quando nós vamos ambos, de mãos dadas,
colher nos vales lírios e boninas,
e galgamos dum fôlego as colinas
dos rocios da noite inda orvalhadas:

ou, vendo o mar, das ermas cumeadas,
contemplamos as nuvens vespertinas
que parecem fantásticas ruínas
ao longe, no horizonte, amontoadas:

quantas vezes, de súbito, emudeces!
Não sei que luz no teu olhar flutua;
sinto tremer-te a mão, e empalideces…

O vento e o mar murmuram orações,
e a poesia das cousas se insinua
lenta e amorosa em nossos corações.

Antero de Quental

Discurso
Agosto 27, 2011

E aqui estou, cantando.

Um poeta é sempre irmão do vento e da água:
deixa seu ritmo por onde passa.

Venho de longe e vou para longe:
mas procurei pelo chão os sinais do meu caminho
e não vi nada, porque as ervas cresceram e as serpentes andaram.

Também procurei no céu a indicação de uma trajetória,
mas houve sempre muitas nuvens.
E suicidaram-se os operários de Babel.

Pois aqui estou, cantando.

Se eu nem sei onde estou,
como posso esperar que algum ouvido me escute?

Ah! se eu nem sei quem sou,
como posso esperar que venha alguém gostar de mim?

Cecília Meireles


Naufrágio
Agosto 15, 2011

Perdido no meio de uma tempestade
…que me rasgou as velas
me arrefeceu e me fez naufragar,
mergulhei no teu corpo revolto e ondulado,
acossado por piratas, adamastores
e outras gentes,
nadei por esse teu mar inconformado,
enfrentando as minhas nuvens de receios,
e as tuas promessas de ventos e correntes,
sedento, engoli a espuma que te enfeitava,
respirei o teu cheiro de maresia,
provei o teu sal de poesia,
que me aqueceu e me fez respirar,
mas veio depois uma onda
cobarde, repetida e traiçoeira
que me afogou, me fez desaparecer
e afundar nas palavras de um poema,
com um fim que apenas os dois
saberemos contar.

José Gabriel Duarte

Paisagem agreste
Agosto 2, 2011

Estavas sentado e havia uma paisagem agreste

nos teus olhos : as nuvens a prometerem chuva,

os espinheiros agitados com a erosão das dunas,

um mar picado, capaz de todos os naufrágios.

.

O teu silêncio fez estremecer subitamente a casa –

era a força do vento contra o corpo do navio ; uma

miragem fatal da tempestade ; e o medo da tragédia

a ameaça surda de um trovão que resgatasse a ira

dos deuses com o mundo. Quando te levantaste,

.

disseste qualquer coisa muito breve que me feriu

de morte como a lâmina de um punhal acabado

de comprar. ( Se trovejasse, podia ser um raio

a fracturar a falésia no espelho dos meus olhos).

.

Hoje, porém, já não sei que palavras foram essas –

de um temporal assim recordam-se sobretudo os despojos

que as ondas espalham de madrugada pelas praias.

Mª Rosário Pedreira