Os dias de Verão

Julho 7, 2018 - 2 Respostas

Os dias de verão vastos como um reino
cintilantes de areia e maré lisa
Os quartos apuram seu fresco de penumbra
Irmão do lírio e da concha é nosso corpo

Tempo é de repouso e festa
O instante é completo como um fruto
Irmão do universo é nosso corpo

O destino torna-se próximo e legível
enquanto no terraço fitamos o alto enigma familiar dos astros
que em sua imóvel mobilidade nos conduzem

como se em tudo aflorasse eternidade

Justa é a forma do nosso corpo

SONY DSC

Sophia de Mello Breyner Andresen    em    Obra Poética

Na hora de pôr a mesa

Junho 1, 2020 - Leave a Response

Questões de princípio

Maio 25, 2020 - Leave a Response

Não me exijam
que diga
o que não digo

não queiram
que escreva
o meu avesso

não ordenem
que eu acene
o que recuso

não esperem
que me cale
e obedeça

suave

MARIA TERESA HORTA    em    ESTRANHEZAS (D. Quixote, 2018)

a rosa, timbres

Maio 19, 2020 - Leave a Response

e o outro silêncio enquanto o som repousa:

desfez-se o seu rebordo numa espuma.

de que sombra dos sons se faz a rosa?

da matéria das sombras? de nenhuma?

.

de que fosco murmúrio, cristal, bruma?

de que espirais de noite vagarosa?

do coração desfeito? ou não costuma

a luz gravar-se em sombras numa lousa?

.

coração rouco, o coração, falhada,

a voz vinda do vento se desate

num ramo de penumbras, descontínuo,

.

o mundo passe a ser feito de nada,

só de efémeras rosas a rebate,

como gritos de sangue no destino.

rosas fogo

Vasco Graça Moura

A um jovem poeta

Maio 13, 2020 - Leave a Response

 

Procura a rosa.
Onde ela estiver
estás tu fora
de ti. Procura-a em prosa, pode ser

que em prosa ela floresça
ainda, sob tanta
metáfora; pode ser, e que quando
nela te vires te reconheças

como diante de uma infância
inicial não embaciada
de nenhuma palavra
e nenhuma lembrança.

Talvez possas então
escrever sem porquê,
evidência de novo da Razão
e passagem para o que não se vê.

rosa aberta

Manuel António Pina     em     Nenhuma Palavra e Nenhuma Lembrança

Que tempo é este?

Maio 1, 2020 - Leave a Response

Dia após dia,

esta angústia cinzenta

de não saber o que virá…

.

Procuro no aparelho

o rasto dos amigos,

a razão da existência…

.

As notícias não acalmam,

embora não aturdam

como noutras paragens…

.

Que tempo é este,

escuro, traiçoeiro,

denso e impalpável?

.

As árvores esverdecem,

a Primavera chega,

mas o luto sobe em nós…

azul-e-verde

Diana Sá

 

Corpo de Ambiguidade

Abril 23, 2020 - Leave a Response

posso e não posso ir-me noite fora
nestes pilares do medo desta dor
– é quando os dedos ferem (não se tocam)
é quando hesito e coro

é quando vou não vou neste mergulho
em seco a imergir em pobre chão
de caos e flor e vinho e confusão

é quando sem chorar me escondo e choro

João Rui de Sousa   em   ‘Corpo Terrestre’

Carta a meus filhos sobre os fuzilamentos de Goya

Abril 14, 2020 - Leave a Response

Hora H

Abril 6, 2020 - Leave a Response

A Primavera cheira a laranjas.

(Há umas granadas de mão, redondas e pequenas, a que chamam laranjas.)

O cheiro das laranjas deixa a noite luarenta de mistérios.

(Dizem que as noites de luar são as melhores para bombardeamentos aéreos.)

H

António Gedeão

Lisboa ainda

Março 29, 2020 - Leave a Response

Lisboa não tem beijos nem abraços

não tem risos nem esplanadas

não tem passos

nem raparigas e rapazes de mão dadas

tem praças cheias de ninguém

ainda tem sol mas não tem

nem gaivota de Amália nem canoa

sem restaurantes sem bares nem cinemas

ainda é fado ainda é poemas

fechada dentro de si mesma ainda é Lisboa

cidade aberta

ainda é Lisboa de Pessoa alegre e triste

e em cada rua deserta

ainda resiste.

Lisboa

Manuel Alegre ( 20/3/20 )

Emergência

Março 19, 2020 - Leave a Response

Quem faz um poema abre uma janela.
Respira, tu que estás numa cela abafada,
esse ar que entra por ela.
Por isso é que os poemas têm ritmo
– para que possas profundamente respirar.
Quem faz um poema salva um afogado.

 

Mário Quintana    em    “Apontamentos de história sobrenatural