Os dias de Verão

Julho 7, 2018 - Uma resposta

Os dias de verão vastos como um reino
cintilantes de areia e maré lisa
Os quartos apuram seu fresco de penumbra
Irmão do lírio e da concha é nosso corpo

Tempo é de repouso e festa
O instante é completo como um fruto
Irmão do universo é nosso corpo

O destino torna-se próximo e legível
enquanto no terraço fitamos o alto enigma familiar dos astros
que em sua imóvel mobilidade nos conduzem

como se em tudo aflorasse eternidade

Justa é a forma do nosso corpo

SONY DSC

Sophia de Mello Breyner Andresen    em    Obra Poética

Anúncios

Cada um cumpre o destino que lhe cumpre

Agosto 20, 2019 - Leave a Response

Cada um cumpre o destino que lhe cumpre.
E deseja o destino que deseja;
nem cumpre o que deseja,
nem deseja o que cumpre.

Como as pedras na orla dos canteiros
o Fado nos dispõe, e ali ficamos;
que a Sorte nos fez postos
onde houvemos de sê-lo.

Não tenhamos melhor conhecimento
do que nos coube que de que nos coube.
Cumpramos o que somos.
Nada mais nos é dado.

soledad_y_tristeza_by_magdalena220
29-7-1923

Ricardo Reis

percurso(s)

Agosto 10, 2019 - Leave a Response

faço parte de um percurso

entre o corpo quente de minha mãe e a terra fria de meu pai

não sei em que ponto da viagem estou

ou sequer se a viagem é curta ou ainda longa

tenho pó nos sapatos, mas as solas não estão gastas

já tenho rugas no rosto e marcas no corpo e no coração

mas ainda terei mais e mais

já caí e já me levantei várias vezes

e continuarei a cair,

esperando levantar-me,

ao menos um dia

Estou em viagem, em trânsito

e estar assim cansa, desilude, apeia

mas também impele, resiste e…

.

é a eterna obrigação da existência

entre dois pontos

ou muitos mais

entre pólos de energias variáveis

que afundam e emergem

que submergem e salvam

.

anda daí e junta o teu alforge ao meu

DSCN0713

André Lamas Leite

As Coisas

Agosto 3, 2019 - Leave a Response

Por aqui, por ali, à minha volta,

sobem montanhas de coisas antigas,

são quadros, são caixinhas, e das vigas

balançam fardas velhas de uma escolta.

.

Bengalas bem talhadas, uma ânfora,

trazem letras trançando-se sem nome,

nomes voam sem dono e a hora some

de um pêndulo em que o dobre cheira a cânfora.

.

Caveiras de marfim, pequenas tíbias,

ossinhos despojados de oratórios,

cachinhos e navetas e ostensórios,

tapetes que suspiram poeiras líbias,

.

junto a um nobre enrolado numa toga

cujo pano desfez-se em bronze velho

e que canta sem voz num vão de espelho

à luz de um castiçal de sinagoga,

.

enquanto um buda branco brilha e ri

e os meus olhos que bóiam numa taça

vão colhendo na sede do que passa

as flores que eu sonhei que já perdi.

intuition

Alexei Bueno

 

Soneto do Corifeu

Julho 25, 2019 - Leave a Response

São demais os perigos desta vida
para quem tem paixão, principalmente,
quando uma lua surge de repente
e se deixa no céu, como esquecida.
.
E se ao luar que atua desvairado
vem se unir uma música qualquer,
aí então é preciso ter cuidado
porque deve andar perto uma mulher.
.
Deve andar perto uma mulher que é feita
de música, luar e sentimento
e que a vida não quer, de tão perfeita.
.
Uma mulher que é como a própria Lua:
tão linda que só espalha sofrimento,
tão cheia de pudor que vive nua.

Vinicius de Moraes

A verdadeira mão

Julho 18, 2019 - Leave a Response

A verdadeira mão que o poeta estende
não tem dedos:
é um gesto que se perde
no próprio acto de dar-se

O poeta desaparece
na verdade da sua ausência
dissolve-se no biombo da escrita

O poema é
a única
a verdadeira mão que o poeta estende

E quando o poema é bom
não te aperta a mão:
aperta-te a garganta

ANA HATHERLY | O Pavão Negro (2003)

Mecânica de um abraço

Julho 11, 2019 - Leave a Response

O que encerras num abraço quando
abraças alguém não é
um corpo: é o tempo. Nesse demorar suspenso
(enquanto deténs outra vida) há
um corpo que é teu enquanto o reténs
nos braços
(porquanto o tens para ti
suspendendo o movimento)
enquanto páras o tempo pelo
tempo
de um abraço. Mas a
força dos teus abraços é mais fraca
que a do tempo e
tens de ser tu a ceder
(tens de ser tu a largar) porque
o tempo não aceita estar parado tanto tempo e
exige que o soltes para
tornar ao movimento.

abraco1

João Luís Barreto Guimarães    em   Nómada

Como na montanha

Julho 3, 2019 - Leave a Response

Não me perguntes nada. Só teus olhos

olhando-me, respondam confiados.

E tuas mãos, sentindo os meus cuidados,

saibam trazer promessas e consolos.

.

Ou diz, pois oiço tudo. A tua voz

é fluxo mineral, nem é palavras,

tal, na montanha, sebes, trilhos, lavras:

malhas na pele de um ser grande, feroz.

.

Viver é isto, como, na montanha,

o sol, as estações, que vêm, que vão,

um sono onde trabalha mão estranha,

.

urdindo sonhos e destruição.

Por isso, não perguntes. Tua mão

se pouse em mim, com o olhar me banha.

agreste

Ricardo Lima

A um carvalho

Junho 26, 2019 - Uma resposta

Forte como um destino,

calmo como um pastor,

a sarça ardente é quando o sol a pino

o inunda de seiva e de calor.

Barbas, rugas e veias de gigante,

mas, sobretudo, braços!

Largos e negros, de desmedidos traços,

gestos solenes de uma fé constante.

Árvore e banco

Miguel Torga

Mar adentro

Junho 16, 2019 - Leave a Response

Deixarei vento trazer areia molhada

moldando dunas sobre a praia peito

lençóis marinhos de bruma salgada

cobrindo-me vagas em húmido leito

.

Deixarei o sol aquecer a azul manta

brilho líquido sobre ninho aquático

cobertas de espuma brancura tanta

onda em fúria doce marear estático

.

Deixarei o céu fazer-se em mim mar

vaga mais rebelde possa acontecer

todos os sentidos me deixe libertar

em onda gigante na praia eu morrer

.

Vento chuva como lágrimas maresia

na morna loucura desta praia deserta

possam murmúrios mar ser sinfonia

.

A praia sentida num olhar imensidão

Vaga uma a uma murmura secreta

Mar adentro em mim húmida solidão

asruasdopensamento

Ana Bárbara de Santo António

 

Balança

Junho 7, 2019 - Leave a Response

Com pesos duvidosos me sujeito
à balança até hoje recusada.
É tempo de saber o que mais vale:
se julgar, assistir, ou ser julgado.

Ponho no prato raso quanto sou,
matérias, outras não, que me fizeram,
o sonho fugidiço, o desespero
de prender violento ou descuidar

a sombra que me vai medindo os dias;
ponho a vida tão pouca, o ruim corpo,
traições naturais e relutâncias,
ponho o que há de amor, a sua urgência

o gosto de passar entre as estrelas,
a certeza de ser que só teria
se viesses pesar-me, poesia.

escultura-em-papel

José Saramago   em   Os Poemas Possíveis